Total de visualizações de página

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Flamengo apresenta Anderson Varejão na Gávea: "Estou realizando um sonho"

Após dezesseis anos de NBA, jogador de 35 anos chega ao Rio de Janeiro, é recebido pela torcida no aeroporto, conversa com dirigentes e veste a camisa do Rubro-Negro


O mais aguardado reforço do Flamengo para a temporada 2017/2018 chegou com pompa nesta quinta-feira ao Rio de Janeiro. No aeroporto, foi recebido por sócios-torcedores. E, mais tarde, em apresentação oficial na sede social do clube na Gávea, Zona Sul do Rio de Janeiro, apareceu sorridente, vestindo a camisa e bateu papo com o presidente Eduardo Bandeira de Mello, o vice-presidente de Esportes Olímpicos, Alexandre Póvoa, e o diretor-executivo de Esportes Olímpicos, Marcelo Vido, antes de ser apresentado oficialmente em coletiva de imprensa. Todos eles compuseram a mesa da apresentação, além do diretor-geral do Rubro-Negro, Fred Luz.
- Gostaria de agradecer ao Flamengo pela confiança, pelo carinho, gostaria de dizer que estou chegando muito motivado, com muita vontade de jogar. Não vejo a hora de entrar em quadra. Eu, que sou torcedor do Flamengo, estou realizando um sonho de jogar no Flamengo. Não tenho como mensurar a ansiedade que estou de jogar logo, integrar o grupo e somar. Não estou chegando aqui para tomar o espaço de ninguém, mas para somar. Tudo que o Flamengo conquistou durante todos esses anos, isso aqui não é o Anderson Varejão, isso aqui é o Flamengo, e o Flamengo é maior que tudo - falou Varejão. 
O atleta prometeu muita raça dentro de quadra e disse que sonha com título do NBB.
- Dentro de quadra vocês vão ver o mesmo Anderson Varejão de sempre, com muita garra, muita raça, não tem bola perdida. Nada é garantido, mas quero continuar essa jornada de títulos do Flamengo. Quero começar com um título do NBB também. E manter essa história maravilhosa e vencedora. Não vejo a hora de jogar, vamos ver quando vai acontecer. Mais uma vez, obrigado a todos os torcedores pelo carinho. Tenho muito respeito por esse clube, pela diretoria, por tudo que ouvirem falarem de como é internamente. Esses foram os fatores que fizeram com que tomasse minha decisão de fazer parte dessa família. A partir de agora estamos juntos e que seja uma caminhada de muitos títulos para todos nós.
Anderson Varejão na apresentação no Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo) Anderson Varejão na apresentação no Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo)
Anderson Varejão na apresentação no Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo)

O presidente Eduardo Bandeira de Mello falou brevemente sobre a contratação.
- Estamos hoje aqui tendo o orgulho de apresentar nosso novo reforço para o orgulho da Nação, que é o basquete do Flamengo. Anderson Varejão dispensa apresentações. Só queria contar aqui que essa história começou há seis meses quando Vido e Póvoa me disseram da possibilidade de trazer o Anderson para o Flamengo. A partir daí eles não descansaram e, toda vez que eu os encontrava, perguntava quando ia ser. Finalmente, chegamos nesse final feliz, mas é o início da carreira do Anderson no clube do coração dele e do nosso coração - disse o presidente Eduardo Bandeira de Mello.
Anderson Varejão vestirá a camisa 17 do Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo) Anderson Varejão vestirá a camisa 17 do Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo)
Anderson Varejão vestirá a camisa 17 do Flamengo (Foto: Twitter/Time Flamengo)
Diretor-executivo do Flamengo, Vido prometeu ações de marketing e produtos, como a peruca que imita o cabelo de Anderson Varejão.
- Todos nós sabemos que o Anderson é o jogador de basquete mais carismático do Brasil. Temos muitas ações de marketing sim, produtos licenciados, que serão todos de comum acordo, e a peruca é sem dúvida um carro-chefe. Foi um modelo inovador para o basquete do Flamengo conjugar ações de marketing pelo carisma que ele tem, e isso vamos fazer a partir de hoje - contou Marcelo Vido.
Há três possíveis datas para a estreia de Anderson Varejão. Uma é no dia 27 de janeiro, às 14h (de Brasília), no clássico contra o Vasco da Gama; outra é no dia 1 de fevereiro, às 20h, contra Campo Mourão; e, por fim, contra o Paulistano, no dia 3 de fevereiro, às 14h, todos na Arena Carioca 1. A partida diante do Cruz-Maltino é a menos provável, já que contará com torcida única do time de São Januário por determinação da Polícia Militar.
Anderson Varejão chega ao Flamengo com o time na liderança do Novo Basquete Brasil. O Rubro-Negro tem 13 jogos e 11 vitórias e, na última rodada, bateu o Vitória fora de casa, por 76 a 68. Na próxima rodada, no dia 18, sexta-feira, às 20h, o Flamengo terá o Botafogo pela frente em clássico na Arena Carioca 1 com torcida única e rubro-negra. De acordo com o planejamento traçado pelo time da Gávea, o atleta estará por lá para encontrar os torcedores pela primeira vez. O jogador já possui condições de jogo para atuar sob o comando de José Neto.
Antes de fechar com o Rubro-Negro, o jogador estava sem equipe desde que deixou o Golden State Warriors na temporada 2016/17. Varejão também flertou com o Franca, mas se decidiu pelo time carioca. Quando ainda atuava em Oakland, ele chegou a dar uma camisa do Flamengo para Klay Thompson.
O retorno de Varejão acontece 16 anos após o pivô deixar o Franca (1998 a 20020) para ir jogar em Barcelona (2002 a 2004), na Espanha. Depois disso, o capixaba escreveu uma longa carreira na NBA. Defendeu o Cleveland Cavaliers do astro LeBron James por 11 temporadas e meia (2004 a 2016), quando se transferiu para o Golden State Warriors (2016/2017). 
(2004 a 2016), quando se transferiu para o Golden State Warriors (2016/2017).
Leia os tópicos da entrevista coletiva de Anderson Varejão:
 
NBB e forma física
"Acho que é um campeonato muito equilibrado e vamos ter que matar um leão à cada noite. Só assim vamos conseguir nosso objetivo que é o título do NBB. Eu estava treinando sozinho, fazendo um dois contra dois, três contra três. No início vai faltar um pouco de ritmo para mim, mas é normal. Vou tentar chegar com tudo nos playoffs. Comemorei as festas de fim de ano sim, mas me sinto bem fisicamente e pronto para ajudar o Flamengo".
Nível do NBB
"A NBB melhora a cada ano que passa, com minha volta e a volta do Leandrinho, isso é importante para o basquete brasileiro. Podemos abrir as portas para outros brasileiros voltarem e até estrangeiros olharem para o Brasil com mais carinho. Como falei, é muito importante para o basquete brasileiro, mas para nós também, de voltar e jogar em alto nível".
Decisão pelo Flamengo
"Sabemos do projeto bem estruturado que o Flamengo tem. Claro que pesou eu ser flamenguista. Fazer parte da aposentadoria do Marcelinho Machado será uma coisa muito boa, fantástica. Tem vários jogadores de seleção brasileira que já joguei e conheço há tempos, Olivinha, Marquinhos, JP. A história do Flamengo, que é um clube acostumado a disputar títulos. O momento que o Flamengo está vivendo. Isso tudo pesou. Por isso o Flamengo, por isso o Mengão. Tenho certeza que minha decisão foi a certa"
Patamar da carreira
"Bom, eu acho que posso ajudar esse grupo. Tô chegando para somar. Sei da experiência que tenho de NBA, Europa, seleção brasileira... Posso trazer um pouco de tudo isso para dentro do Flamengo, para o dia a dia, situações de jogo, de depois do jogo, de preparação. Acho que posso ajudar o Flamengo dessa maneira. Sobre aposentar, não penso nisso agora. Me sinto muito bem e penso em jogar muito tempo ainda. Quem sabe uns 15 anos, como o Marcelinho, que tem 52 e está jogando ainda e bem (risos). Aposentadoria não passa pela minha cabeça não".
Papo com Marcelinho
"A gente ainda não se encontrou, mas a partir do momento que tomei minha decisão, entrei em contato com ele, ele está feliz, achou muito bacana. A gente que tem uma passagem pela seleção de mais ou menos 10 ou 15 anos juntos, o Marcelinho que sempre foi um mentor para mim dentro da seleção brasileira, um cara muito centrado, que conquistou títulos e muitas coisas na carreira. Então para mim será um orgulho muito grande fazer parte de um time com o Marcelinho".
Contrato com o Flamengo
"Meu contrato com o Flamengo é de 20 meses. Meu foco é total no Flamengo e jogar até o fim do NBB. No momento é nisso que estou pensando".
Varejão posa com camisa do Flamengo (Foto: Thierry Gozzer) Varejão posa com camisa do Flamengo (Foto: Thierry Gozzer)
Varejão posa com camisa do Flamengo (Foto: Thierry Gozzer)
Relacionamento com José Neto e preparador Diego Falcão
"Com certeza conhecer o Neto, a comissão técnica, os jogadores, ajuda bastante na adaptação, na minha chegada agora".
Torcida do Rubro-Negro
"Não espero nada diferente da torcida, espero que lotem a arena onde for o jogo e ajudando a gente como a torcida sempre ajudou, gritando, incentivando, ajudando o time nos momentos de dificuldade durante o jogo. A torcida do Flamengo é única e vou ter a oportunidade de vivenciar isso dentro de quadra". 
A torcida do Flamengo é única e vou ter a oportunidade de vivenciar isso dentro de quadra".
Propostas de outros clubes
"Existiram propostas de outros clubes no Brasil, conversas, alguns clubes não chegaram a existir negociações, clubes da Argentina, Europa, e coisas na NBA que não eram garantidas. Coloquei tudo na mesa e tomei a decisão de voltar para o Flamengo, por tudo que falei, todo o respeito pelo Flamengo, o projeto bem estruturado, o respeito pela torcida e pelo clube, tudo que pesou na minha decisão, aposentadoria do Marcelinho, companheiros de seleção, tudo isso pesou. Por isso voltei para o Flamengo. E, claro, como falei antes, o NBB, que a cada ano que passa está melhor. Tenho também vontade de continuar jogando na seleção e nada melhor que o Flamengo para me preparar para isso também".



quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

ISSO É FLAMENGO

Não poderia começar melhor o ano. Com o pé direito,  literalmente. Afinal de contas, os gols foram marcados por destros. Fiquei encantado com o futebol que o Flamengo apresentou ontem. De encher os olhos, realmente. Acredito que tenha sido a primeira vez que vi um time formado por atletas da base tão jovens. Os garotos entraram para a história do clube merecidamente. E que continuem nessa batida porque ISSO É FLAMENGO.

Gabriel - Demonstrou maturidade e segurança. Aproveitou bem a sua estatura em saída do gol. Com boa reposição de bola e visão de jogo, orientou a defesa. Provou que merece mais oportunidades.
Klebinho -Comedido, ficou mais preocupado em não dar espaços na defesa. Não comprometeu, mas o seu bom futebol pouco pôde ser notado, pois a sua maior característica é a qualidade no apoio. Tem grande potencial.
Matheus Dantas - Entrou nos minutos finais, com pouco tempo para mostrar serviço. 
Thuler -Atuação discreta, sem comprometer o sistema defensivo.
Patrick -Comprovou a expectativa. Aos 17 anos,  já apresenta desenvoltura de jogador experiente. Diferente do companheiro de zaga, se destacou tanto no combate, como na saída de bola. É um dos fortes candidatos à revelação da base.
Ramon -Estreando entre os profissionais com apenas 16 anos, 10 meses e quatro dias, executou bem o seu papel. O Voltaço apostou em jogadas pelo seu setor para levar perigo ao ataque. Sofreu bastante, mas conseguiu-se sobressair na maioria das jogadas. Como os demais merece ser aproveitado mais vezes.
Jonas - Repetiu a regularidade de outras partidas pelo time. Executa bem as funções de volante. Desarma com muita facilidade. Dos volantes do elenco rubro-negro é o que marca melhor, indiscutivelmente. Tem tudo para brigar pela posição, durante a temporada.
Ronaldo -Volante diferenciado. Desarma bem e toca a bola melhor ainda. Juntamente com Jean Lucas foi o principal armador da equipe. Da mesma forma, que Jonas merece brigar pela posição. 
Pepê -Habilidoso, porém pouco participativo, precisar colaborar mais no meio de campo utilizando sua qualidade técnica com mais intensidade durante os 90 minutos. 
Hugo Moura -Apesar do pouco tempo em campo, conseguiu mostrar o seu potencial, protagonizando o lance mais bonito durante a partida, com três chapéus em sequência.
Jean Lucas -Um dos destaques da equipe. Formou uma boa dupla com Ronaldo na criação das jogadas. O seu futebol é encantador. Com a cabeça erguida, passada larga e camisa para dentro do calção, conduz a bola como poucos. Tem excelente movimentação e pouco erra passes. Confirmou o potencial tão badalado na base. Merece brigar pela titularidade, durante a temporada.
Jajá-Entrou no final, com pouco tempo para mostrar serviço.
Wendel -Com apenas 17 anos, parece ter sido o que mais sentiu o peso da estreia. Contudo, foi o autor da assistência para o belo gol de Pepê.
Vitor Gabriel - Pouco tempo para mostrar serviço. Mesmo assim mostrou o seu cartão de visitas, com um chapéu no zagueiro no meio-campo.
Lucas Silva - Inquieto e abusado, foi o jogador mais perigoso do Flamengo no primeiro tempo. Fosse no combate direto com os zagueiros do Voltaço ou movimentando-se de um lado para o outro, levou perigo ao gol de Douglas em chutes de longe e infernizou a defesa com dribles. Merecidamente, foi premiado com um bonito gol em jogada individual. Grata surpresa vinda da Copinha. 

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Causos do Fla: conheça goleiro "fujão" cortado da Copa de 1930 por indisciplina

No 122º aniversário do clube, GloboEsporte.com conta história de Amado Benigno, bicampeão carioca e brasileiro, mas que ficou fora da primeira Copa ao disputar jogo sem comunicar a CBD

Causos do Fla: conheça goleiro
Causos do Fla: conheça goleiro

O ano era 1923. O hoje 34 vezes campeão estadual Flamengo disputava apenas sua 11ª edição do Campeonato Carioca. Havia vencido quatro: 1914, 1915, 1920 e 1921. Era um clube de regatas que ainda engatinhava no futebol, mas que já revelava seus primeiros ídolos. O enredo a seguir conta a história do goleiro amazonense Amado Benigno, que, ainda na época amadora, vestiu as cores do time em 124 oportunidades.
Amado era uma lenda da época e, mesmo assim, é provável que nem os mais fanáticos rubro-negros saibam quem foi o labreano (de Lábrea, município localizado a 702 km da capital Manaus) que, no auge da carreira, chegou a ser cotado para representar a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1930. Ele chegou a defender o time Canarinho uma única vez em 1929, mas ficou de fora da relação final por causa do próprio time que deu-lhe reconhecimento.
- No dia da apresentação para Copa do Mundo, Amado resolveu disputar um amistoso pelo Flamengo sem avisar a CBD. Ele foi cortado, e levaram o Joel, titular daquela Copa, em seu lugar - conta o historiador Gaspar Vieira Neto.
No 122º aniversário do clube, o GloboEsporte.com conta quem foi esse ícone do cenário carioca.

O bicampeonato carioca e brasileiro

Amado Benigno era goleiro do Flamengo na década de 20 e 30 (Foto: Reprodução)
Amado Benigno era goleiro do Flamengo na década de 20 e 30 (Foto: Reprodução)
Nascido em 1905, Amado vestiu as cores do Flamengo pela primeira vez em 1923. Suas defesas não tardaram para o colocar no time titular, onde seguiu até 1934, quando se aposentou. Nesse período, Amado foi campeão estadual em 1925 e 1927. O desempenho o levou para a Seleção Carioca - naquela época, eram Seleções que representavam determinado Estado em competiçõs nacionais.
Vestindo as cores do Rio de Janeiro, o arqueiro conquistou o título brasileiro em outras duas oportunidades, em 1927 e 1928. Os canecos consecutivos na carreira chamaram atenção da Confederação Brasileira de Desportos (CBD, antiga CBF) e o levaram, pela primeira e única vez, a seleção brasileira. Em 1929, já considerado o melhor do Brasil em sua função, ele disputou um amistoso contra a equipe do Rampla Juniors, do Uruguai, e ajudou o Brasil a vencer por 4 a 2. No entanto, nunca mais voltou a ser chamado.

O corte da CBD

Bicampeão carioca, bicampeão brasileiro e estreia vitoriosa pelo time Canarinho. Era a chance de Benigno assumir de vez a posição e defender o Brasil na primeira Copa do Mundo da história, certo? O historiador Gaspar Vieira Neto conta que não foi bem assim. No dia da apresentação para Copa do Mundo, Amado resolveu disputar um amistoso pelo Flamengo sem avisar a CBD. Resultado: foi cortado e viu o treinador Píndaro de Carvalho levar Joel em seu lugar. O Flamengo, de quebra, foi o único grande carioca sem representante na Copa do Uruguai.

Medicina e olheiro de Oscar Niemeyer

No começo do século, o futebol era amador e - digamos - não era o suficiente para sustentar uma família. Benigno jogava por amor. Prova disso era a profissão exercida fora dos gramados: médico. Filho de um coronel, o amazonense cursou medicina e, quando começou a defender o Flamengo, já praticava a profissão. O mesmo que fez após pendurar as chueteiras.
A aposentadoria também o levou a outro caminho. Ele virou olheiro do Fla e, curiosamente, observou um jovem da categoria do Fluminense bastante promissor: um tal de Oscar Niemeyer. Amado até chegou a convidar Niemeyer para atuar no Flamengo, mas teve o convite negado. O futuro arquiteto alegou que não pretendia seguir carreira de jogador. A história, contada pelo próprio Niemeyer, foi publicada no livro "As grandes entrevistas do Milênio" 

terça-feira, 4 de julho de 2017

Time de Fut7 vence o Vasco e é campeão da etapa Sudeste do Brasileiro

Equipe encerrou esta fase da competição invicta, com melhores ataque e defesa


Foto: Reprodução/ Instagram













Foto: Reprodução/ Instagram

O retorno do maior campeão da modalidade ao Futebol 7 foi com título. No último domingo, além de mais uma convincente vitória nos gramados, o Flamengo venceu no society e foi campeão invicto da etapa Sudeste do Campeonato Brasileiro. A final teve charme, com o clássico disputado contra o Vasco, no Complexo Esportivo Miécimo da Silva, em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro. O rubro-negro Tambinha marcou duas vezes para garantir a vitória por 2 a 0 sobre o rival cruzmalino.

Agora, Flamengo e Vasco têm pela frente a etapa nacional do torneio, junto aos finalistas das outras regiões do país.

O Flamengo se classificou invicto, em primeiro lugar, para a semifinal da etapa Sudeste do Campeonato Brasileiro da modalidade. Além da liderança da chave, a equipe teve a defesa menos vazada e o ataque mais positivo da primeira etapa e, antes de superar o Vasco, venceu o América-MG por 4 a 1.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/25622/time-de-fut7-vence-o-vasco-e-e-campeao-da-etapa-sudeste-do-brasileiro

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Hegemonia rubro-negra no Rio de Janeiro

Flamengo conquista 34º título e garante maior número de taças do Carioca

Em 07/05/2017 às 18h00
Mariana Sá*
Comunicação Flamengo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
O Rio de Janeiro mais uma vez está pintado de vermelho e preto. Pela trigésima quarta vez desde 1912, quando o Mais Querido entrou em campo no Campeonato Carioca pela primeira vez, o Flamengo domina o estado e, novamente, reafirma a hegemonia estabelecida no torneio, visto que segue, com folga, como o maior campeão da competição.

O Flamengo ultrapassou o Fluminense em número de títulos no dia 3 de maio de 2009, quando bateu o Botafogo na terceira final do Campeonato Carioca seguida, conquistando o tricampeonato pela quinta vez em sua história. Aquela foi a 31ª taça do Mais Querido no Estadual, desempatando o número de conquistas com o adversário tricolor.
A hegemonia no Rio de Janeiro já chega há nove anos, visto que o Flamengo segue como maior campeão da competição isolado. O Fluminense vem depois com 31 títulos, seguido pelo Vasco com 24 e Botafogo com 20.
O Mais Querido foi campeão em 1914, 1915 (invicto), 1920 (invicto), 1921, 1925, 1927, 1939, 1942, 1943, 1944, 1953, 1954, 1955, 1963, 1965, 1972, 1974, 1978, 1979 (invicto), 1979, 1981, 1986, 1991, 1996 (invicto), 1999, 2000, 2001, 2004, 2007, 2008, 2009, 2011 (invicto), 2014 e 2017 (invicto).
Maior vencedor do Campeonato Carioca nos últimos anos, o Flamengo foi campeão em sete dos últimos 16 torneios disputados neste século XXI, levando a taça em 2001, 2004, 2007, 2008, 2009; 2011, 2014 e, agora, em 2017. Neste período, o Fluminense foi campeão três vezes, assim como Botafogo e Vasco.

*sob supervisão de Isabela Abirached
 

domingo, 7 de maio de 2017

Flamengo bate o Flu de virada e fatura o título invicto do Carioca

Rubro-Negro consegue gols na reta final do jogo e fica com a taça do Estadual pela 34ª vez.

Igor Siqueira 
07/05/2017
18:02
Rio de Janeiro (RJ)
 
O Campeonato Carioca novamente tem o Flamengo como campeão. E, como cereja do bolo, um título invicto. Não teve repetição de 1995, quando o Fluminense frustrou a comemoração do rival rubro-negro. Teve, sim, o mesmo desfecho da final de 1991, com o Fla levando a melhor sobre o time das Laranjeiras e ficando com a taça. Neste domingo, em um Maracanã abarrotado por 58 mil pagantes, a vitória de virada por 2 a 1 foi construída na reta final do segundo tempo e foi o desfecho perfeito para a trajetória vitoriosa do time de Zé Ricardo na edição-2017 da competição.

Como disse o mosaico da torcida antes do apito inicial, o Fla, que tinha vencido o jogo de ida por 1 a 0, amplia a vantagem como "rei do Rio", faturando o Estadual pela 34ª vez. Guerrero e Rodinei foram os heróis da jornada rubro-negra, enquanto Henrique Dourado balançou as redes pelo Flu. 

FLU VEIO COM TUDO

Abel avisou antes do jogo: o Fluminense não repetiria a postura cautelosa, como nos primeiros 90 minutos da final. A proposta tricolor, até pela necessidade óbvia de balançar as redes, seria "incendiar" o clássico desde o começo. E assim foi. Com um Flamengo ainda em aquecimento, o Flu abriu o placar, com Henrique Dourado. O Ceifador aproveitou que a cobrança de escanteio foi desviada na direção do primeiro poste e levou a melhor na disputa pelo alto com Réver.

Tomando um golpe com menos de três minutos e vendo a vantagem evaporar, o Flamengo passou a tentar sufocar o Fluminense. Mas, sem um armador de natureza, já que Trauco foi improvisado como meia central, as coisas ficaram complicadas. Foi muito chutão e várias bolas esticadas, sem sucesso, para os velocistas Berrío e Everton.

A exceção à regra de jogadas frustradas rubro-negras, com o ingrediente da boa marcação tricolor, foi uma finalização de Everton que exigiu de Cavalieri uma defesa digna de aplausos em pé. Essa ocasião, inclusive, só aconteceu porque Zé Ricardo já tinha começado a buscar alternativas ofensivas, invertendo Everton e Berrío de lado.

No segundo tempo, o Fluminense manteve a proposta de abafar para resolver a parada. Só que o gol não veio nos minutos iniciais, apesar do espaço que o Fla deu para as incursões tricolores no setor ofensivo.

Zé Ricardo, então, apostou em mais mudanças táticas. O quadro usado foi parecido com o que deu certo contra a Universidad Católica, com Rodinei jogando como meia aberto na direita. O resultado não foi tão imediato porque o time não estava tão inspirado como na quarta-feira anterior.

Enquanto isso, o Flu nem os contra-ataques conseguia encaixar mais, só que passou a apostar em bolas alçadas na área. Mais ligada, a defesa rubro-negra se salvou como pôde.

GUERRERO SURGE

O tempo foi passado. A disputa por pênaltis já se desenhava, um roteiro que repetiria a decisão da Taça Guanabara. Mas aí apareceu um certo peruano, que passou o jogo todo brigando sem sucesso com os zagueiros. Um peruano que vive, talvez, a melhor fase da carreira. Um peruano que decide. Paolo Guerrero aproveitou o rebote de Cavalieri e empatou o jogo. Era o resultado mínimo para a confirmação da conquista do Flamengo.

O Rubro-Negro, que ficou em vantagem numérica após a expulsão de Diego Cavalieri, não deixou a chance escapar. E até conseguiu colocar uma pá de cal sobre a "sepultura" do Flu no último lance do jogo, com Rodinei fazendo o segundo gol.

Após três anos, a torcida do Flamengo volta, com autoridade, a soltar o grito de campeão estadual.

FLAMENGO 2 X 1 FLUMINENSE
 
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data/Hora: 7/5/2017, às 16h
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (Fifa-RJ)
Assistentes: Luiz Claudio Regazzone e Michael Correia (RJ)
Cartões amarelos: Pará, Márcio Araújo (FLA); Henrique Dourado, Wellington Silva, Lucas, Léo (FLU)
Cartão vermelho: Diego Cavalieri, 47'/2ºT (FLU)
Renda/Público: R$ 3.242.130,00 / 58.399 pagantes
Gols: Henrique Dourado, 3'/1ºT (0-1); Guerrero, 40'/2ºT (1-1); Rodinei, 50'/2ºT (2-1)

Flamengo: Alex Muralha, Pará, Réver, Rafael Vaz e Renê; Márcio Araújo, Willian Arão, Trauco (Rodinei, 16'/2ºT), Everton (Juan, 43'/2ºT) e Berrío (Gabriel, 11'/2ºT); Guerrero. Técnico: Zé Ricardo.

Fluminense: Diego Cavalieri, Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Wendel (Marcos Júnior, 42'/2ºT) e Sornoza; Richarlison (Pedro, 41'/2ºT), Wellington Silva (Maranhão, 17'/2ºT) e Henrique Dourado. Técnico: Abel Braga.
 

É campeão invicto! Fla vence o Flu de virada e conquista seu 34º título do Carioca

Guerrero e Rodinei marcam os gols da vitória do Rubro-Negro, que volta a levantar a taça após três temporadas. Rivais não disputavam uma final estadual há 22 anos 

 

Depois de três anos, o Flamengo é novamente campeão carioca. O Rubro-Negro venceu o Fluminense por 2 a 1, de virada, neste domingo, no Maracanã, e chegou ao seu 34º título estadual. E de forma invicta. A equipe tinha a vantagem, já que havia vencido o primeiro jogo por 1 a 0, no último fim de semana. O Tricolor abriu o placar logo aos três minutos de jogo com Henrique Dourado, mas, aos 39 do segundo tempo, Gerrero fez o gol que garantiria a taça. Já com o Flu com um a menos, Rodinei marcou o gol do título aos 50 minutos.  

O último encontro da dupla Fla-Flu em uma final havia sido em 1995, há 22 anos, quando o Tricolor ficou com o título depois de vencer por 3 a 2, com o famoso gol de barriga marcado por Renato Gaúcho. 

Flu faz pressão e abre o placar
 
Em desvantagem, o Flu iniciou o jogo como tinha que ser, pressionando. Deu certo. Logo aos três minutos, Sornoza cobrou escanteio, Renato Chaves desviou e a bola sobrou para Henrique Dourado mandar de cabeça para rede: 1 a 0. Só então o Flamengo começou a acordar e passou a ter mais posse de bola - quase 70% - do que o Tricolor, que automaticamente passou a ter uma postura mais conservadora. Renê e Everton tiveram duas boas chances para o Rubro-Negro, mas não conseguiram aproveitar.
O Flu levava perigo nas cobranças laterais de Léo Pelé, que jogava a bola direto na área. Em uma delas, Henrique teve a oportunidade, mas foi travado. No último lance da primeira etapa, em um rápido contra-ataque, Wellington Silva chegou em boas condições de finalizar, mas a zaga salvou. 

Fla vira no segundo tempo e faz a alegria da torcida
 
O Tricolor manteve a estratégia de buscar os contra-ataques, e, apesar de ser o Fla a ter mais volume, foi a equipe de Abel Braga que conseguia as chances mais claras. Sornoza arriscou de fora, e Muralha tirou com a ponta dos dedos. Com a decisão indo para os pênaltis, a tensão tomava conta dos times e da torcida. Ninguém queria se arriscar demais. Guerrero, bem marcado, conseguia pouco espaço. Em uma rara oportunidade, se livrou da marcação mas não conseguiu acertar o alvo na finalização. Renato Chaves, após cobrança de escanteio, quase arrancou o grito de gol da torcida em cabeçada, mas Muralha defendeu.
A emoção maior estava guardada para os minutos finais. Aos 39, Gabriel cobrou escanteio, Réver mandou de cabeça, Cavalieri deu rebote e Gerrero chutou forte para deixar o placar empatado em 1 a 1. O resultado dava o título ao Flamengo, e Abel Braga colocou Marcos Junior e Pedro para fazer a pressão no desespero. Não surtiu efeito. E ainda houve tempo para Diego Cavalieri ser expulso. Ele era o último homem e fez falta dura em Rodinei, que o havia driblado.
Aos 50 minutos, o Fla deu o golpe final. Rodinei entrou na área e chutou cruzado. Orejuela tentou, mas não conseguiu a defesa. A essa altura o Maracanã já estava enlouquecido e ao grito de "É campeão!".