Total de visualizações de página

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Flamengo é a marca mais valiosa do Brasil


Mesmo sem ter uma grande torcida o São Paulo aparece em terceiro lugar. Resultado da exploração do estádio do Morumbi | Arte: O Dia Online

Rio - Um estudo feito pela consultoria Crowe Horwath RCS e divulgado pelo jornal "O Estado de São Paulo" nesta segunda-feira aponta que o Flamengo é a marca mais valiosa do Brasil, seguido por Corinthians e São Paulo. A pesquisa ainda apontou o potencial de mercado de cada time, nada compaável ao futebol europeu, mas com cifras que mostram que os títulos e as conquistas das equipes engrandecem não só as salas de troféus.

Segundo a pesquisa, Flamengo, Corinthians e São Paulo valem meio milhão de reais cada um, nada comparável ao Manchester United da Inglaterra,atualmente avaliado em R$ 3.204 bilhão. O valor do time inglês só seria alcançado, caso fossem somados a cotação das 12 equipes participantes. O levantamento levou em consideração os clubes de maior torcida e o número de títulos de cada um deles a partir início do Campeonato Brasileiro (1971) até 2009. Sendo assim, participaram do estudo os quatro grandes do Rio, São Paulo, dois de Minas Gerais e os dois do Rio Grande do Sul.

O levantamento mostra ainda que a receita das equipes nacionais evoluiu 115% entre 2003 e 2008. O aumento aconteceu principalmente na arrecadação com marketing e venda de ingressos, o que aponta uma ligeira melhoria na administração das equipes. Para chegar a essa conclusão, o estudo usou informações sobre dados financeiros, marketing, perfil e hábitos dos torcedores, mercado nacional e local.

Com a escolha do Brasil como sede da Copa de 2014 os clubes vão ter um cenário ainda mais animador, com o aumento de 69% da arrecadação. Neste ano a pesquisa aponta uma faturamento de R$ 1,9 bilhões e para 2012, as receitas geradas podem chegar a R$ 2,6 bilhões, saltando para R$ 3 bilhões em 2014.

Com informações do jornal O Estado de São Paulo

Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/ataque/flamengo/html/2009/12/flamengo_e_a_marca_mais_valiosa_do_brasil_diz_estudo_55623.html

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Nery - um dos primeiros jogadores da história do clube

Emanuel Augusto Nery
De Flapédia

Dados
Nome Completo: Emanuel Augusto Nery
Posição: Lateral
Dia do Nascimento: 25 de Dezembro de 1892
Nascimento: Rio de Janeiro (RJ)
1° jogo: 03/05/1912 (Flamengo 16 x 2 Mangueira)

Títulos
Pelo Fla
1914
. Campeão Carioca de Futebol

1915
. Campeão Carioca de Futebol (Invicto)
. Campeão da Taça Jornal Folha do Norte (PA)

1916
. Campeão do Troféu Artístico (PA)
. Campeão da Taça Tricentenário de Belém (PA)
. Campeão da Taça Madame Gaby Coelho Neto
. Troféu Asilo do Bom Pastor (RJ)

1917
. Campeão da Taça Sport Club Juiz de Fora (MG)

1919
. Campeão do Torneio Triangular do Rio de Janeiro (Troféu América Fabril)

Estatísticas
Ano Jogos Gols
1912 13 0
1913 13 0
1914 18 0
1915 15 0
1916 24 4
1917 7 0
1918 20 1
1919 2 1
Total 112 6

Gols
Lista de times em que marcou gols:

Botafogo - 2 gols
Fluminense - 1 gol
América RJ - 1 gol
São Cristóvão RJ - 1 gol
Remo PA - 1 gol

Fonte: http://www.flamengo.com.br/flapedia/Nery

Flamengo, Flamengo, campeão de terra e mar


Rubro-Negro teve temporada de glórias no futebol e no remo carioca em 2009

Em 2009, as equipes de futebol e remo do Clube de Regatas do Flamengo fizeram jus ao hino oficial do Rubro-Negro, composto por Paulo Magalhães e cantado pela primeira vez em 15 de novembro de 1920, na Rua Paysandu, no empate por 1 a 1 contra o Palmeiras. Os atletas rubro-negros lutaram. Sempre com valor infindo, ardentemente, com denodo e fé, e por isso, o clube da Gávea tornou-se, mais uma vez, campeão de terra e mar (campeão estadual no futebol e no remo).

O pavilhão do nosso amor foi arqueado no topo do Maracanã e do Estádio de Remo da Lagoa nos dias 3 de maio e 15 de novembro, respectivamente. O título no remo, aliás, veio como presente dos 114 anos de história do clube, já que a oitava e última regata da temporada foi disputada justamente na data do aniversário do Mais Querido do Brasil. Esta foi a 15ª vez em que o Flamengo sagrou-se campeão de terra em mar. O feito já havia sido conquistado em 1920, 27, 42, 43, 63, 72, 74, 78, 79, 81, 86, 91, 96, 2004, 06 e 07.

O Clube de Regatas do Flamengo é o maior vencedor da história de ambas as modalidades no Rio de Janeiro. No remo, o clube detém 44 títulos estaduais. No futebol, são 31. Relembre neste especial feito pela equipe do Site Oficial do clube estas duas conquistas mais recentes, que fizeram com que o ano de 2009 fosse especial para cada rubro-negro.

Carioca de Futebol - O Campeonato Carioca de 2009 foi a 105ª edição da competição, com início no dia 24 de janeiro e o término no dia 5 de maio. Neste ano, o campeonato foi novamente composto por 16 equipes, que teve a volta do tradicional Bangu e a ausência do América, rebaixado na última temporada. O Flamengo entrara em campo como favorito, atual bicampeão e de olho no quinto tricampeonato de sua história, além da hegemonia do futebol no estado, já que estava empatado em número de títulos com o rival Fluminense.

A campanha rubro-negra começou com altos e baixos. O início da Taça Guanabara foi de vitórias e mais vitórias, contra Friburguense, Bangu, Volta Redonda, Mesquita e Macaé. Depois, a equipe empatou com o Boavista e o Botafogo, antes de chegar à fatídica semifinal do dia 21 de fevereiro, contra o Resende. Em um jogo polêmico, com erros de arbitragem e em uma tarde em que nada deu certo, vitória do time do interior por 3 a 1, que culminou com a eliminação do Flamengo do primeiro turno do Estadual.

O tricampeonato começava a ficar ameaçado. Na decisão da Taça GB, o Botafogo superou o Resende e garantiu, pelo terceiro ano consecutivo, sua vaga na finalíssima do Campeonato Carioca. Mal sabiam os alvinegros que o adversário e o resultado final seriam os mesmos das duas últimas temporadas. O Flamengo começou a Taça Rio arrasador, passando por Duque de Caxias e Cabofriense. Depois, até tropeçou contra o Tigres e o Vasco, mas venceu o Madureira, deu o troco no Resende, bateu o Americano e, com um empate aos 45 do segundo tempo contra o Fluminense, avançou às semifinais.

Contra o mesmo Tricolor das Laranjeiras, fez a sua melhor partida do ano, já no ritmo da despedida do capitão Fabio Luciano, que iria se aposentar no final do torneio. Com cada jogador correndo um pouco mais pelo líder do grupo, o time venceu a partida por 1 a 0 e chegou à decisão do segundo turno contra o Botafogo, com mais de 80 mil pessoas no Maracanã. Se os alvinegros ganhassem, seriam campeões automaticamente. Mas, um gol contra do zagueiro Emerson deu o título ao Flamengo, que ganhou moral e foi para a decisão do Estadual como favorito.

A partir dali, como diz o ditado, "deixaram o Flamengo chegar". Estava escrito. A exemplo do que aconteceu em 2007, no primeiro título da série do tricampeonato, dois empates nas partidas finais: 2 a 2, em ambos os jogos, ou seja, o título seria decidido nos pênaltis. E nas mãos do goleiro Bruno, pararam as cobranças de Juninho e Leandro Guerreiro, dando ao Flamengo a vitória por 4 a 2 e o histórico título de pentatricampeão carioca, além de maior vencedor do torneio, com 31 títulos.

Carioca de Remo – Quando a oitava regata do Campeonato Estadual de Remo de 2009 teve a sua data marcada para o dia 15 de novembro, era um sinal de que algo de bom estava guardado para o Clube de Regatas do Flamengo. No ano em que o Mais Querido assumiu a hegemonia do futebol carioca e depois ainda conquistou novamente o título brasileiro, que não vinha há 17 anos, o esporte que deu origem à paixão não poderia ficar para trás. E não ficou.

Depois de liderar o Carioca quase que de ponta a ponta, levantou o título estadual de remo de 2009 na raça e no talento de seus atletas. A 1ª Regata foi realizada no dia 22 de março, nas raias da Lagoa Rodrigo de Freitas. O Campeonato terminou empatado em 70 a 70, mas o Vasco da Gama levou o troféu da primeira das oito etapas ao totalizar 90 pontos. O Flamengo, que levou a melhor nas provas Four Skiff / Aspirante / Feminino, 2 Com / Aspirante, 4 Com / Júnior, Single Skiff / Júnior B e Oito Com / Sub-23, somou 79 e ficou com a segunda colocação, seguido pelo Botafogo, com 53 pontos.

Logo na segunda regata, o Flamengo assumiu a liderança para não sair mais. Das 13 provas disputadas pela 2ª Regata do Campeonato Estadual de Remo 2009, o Flamengo venceu sete e faturou o título de campeão, com o Troféu Eficiência. Com o resultado daquele 17 de maio, o C.R.F abriu uma boa vantagem de 26 pontos em relação ao Vasco da Gama, segundo colocado. Em 14 de junho, terceira etapa, e mais uma vez, a festa foi do Flamengo na Lagoa Rodrigo de Freitas. Com um total de seis provas vencidas na raça, o Rubro-Negro garantiu não só o Troféu Eficiência, como ampliou a diferença de 26 para 35 pontos em relação ao Vasco da Gama, segundo colocado.

Na quarta regata, o Fla acabou tropeçando, e o Vasco levou a melhor, mas nada que tirasse a tranqüilidade dos rubro-negros na ponta da competição, que ficou ainda maior na etapa de numero cinco do Estadual. Mesmo com uma das 13 provas adiadas, o Rubro-Negro abriu vantagem de 53 pontos no Campeonato Estadual de Remo no dia 8 de agosto, ao vencer cinco das 12 provas disputadas nas raias da Lagoa Rodrigo de Freitas. O equilíbrio marcou a 6ª Regata do Campeonato Estadual de Remo 2009. A disputa deste sábado terminou empatada em 91 a 91, mas, com uma vitória a menos (total de cinco), o Flamengo terminou em segundo lugar, e mesmo assim, seguiu lider da competição.

Faltando apenas duas regatas para o fim do torneio, o Flamengo já estava próximo do título, mas acabou levando um susto na sétima regata. O Vasco da Gama foi o campeão da etapa ao vencer o maior número de provas e totalizar 92 pontos contra 79 do Rubro-Negro, segundo colocado. Porém, na contagem geral do campeonato, o C.R.Flamengo se manteve na liderança, com 527 pontos. O cruzmaltino vinha logo atrás com 476. Sendo assim, a definição ficou para a última regata. A festa na sede náutica do C.R.F começou bem cedo com a tradicional Alvorada no Remo.

No dia 15 de novembro, as comemorações se estenderam até o Estádio de Remo da Lagoa. Com um total de 601 pontos e cinco provas vencidas na garra e na técnica, o Rubro-Negro sagrou-se o campeão estadual de remo, modalidade que deu vida ao Mais Querido do Brasil há 114 anos. O Troféu Eficiência, transitório, também foi conquistado pelo Flamengo.Nada poderia estragar a festa rubro-negra. As guarnições da Gávea estavam dispostas e determinadas a garantir o melhor presente de aniversário.

Destaque para a linda e tradicional prova do Oito Com – categoria Aberto, vencida pela guarnição do Cacique Buck. Outra briga que merece ênfase é a do Four Skiff Feminino, também categoria Aberto. Na raça, o quarteto formado por Emanuelle Abreu, Amanda Duarte, Renata Görgen e Luana Bartholo assegurou o primeiro lugar. A entrega dos troféus de campeão contou com a presença do Presidente Marcio Braga, que fez questão de comparecer e cumprimentar o vice-presidente de remo, Raul Bagattini, a comissão técnica e os remadores por mais uma brilhante conquista.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=7695

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Figueiredo - zagueiro campeão mundial


Saudoso zagueiro Figueiredo

Cláudio Figueiredo Diz
De Flapédia

Página com informações do ex-jogador do Flamengo Figueiredo

Biografia

Figueiredo começou a jogar futebol em times dente de leite do Palmeiras, porém, jamais chegou a ser um jogador profissional pelo Palmeiras. Este privilégio coube a outro clube brasileiro, o Flamengo, que lançou o jogador em 1979, em uma partida contra o Fluminense.

Em um time repleto de estrelas, como foi o Flamengo no início dos anos 80, Figueiredo não foi um dos maiores destaques daquela equipe. É bem verdade que o jogador não teve tempo suficiente para mostrar todo seu talento, uma vez que veio a falecer em um trágico acidente de avião, quando tinha apenas 23 anos.

Apesar de sua curta carreira, Figueiredo teve a oportunidade de comemorar os Brasileiros de 1980, 82 e 83, além da Libertadores da América e do Mundial Interclubes em 81. Sua última partida com a camisa rubro-negra aconteceu no dia 30 de novembro de 1984, quando o Flamengo foi derrotado pelo Fluminense pelo placar de dois a um.

Figueiredo faleceu no mesmo ano de sua última partida, no dia 20 de dezembro de 1984.
Dados

Nome Completo: Claudio Figueiredo Diz
Dia do Nascimento: 23 de Dezembro de 1960
Local: São Paulo (SP)
Posição: Zagueiro
Número de Partidas pelo Fla: 152
Número de Gols: 0
Histórico
Anos Time
1974-1978 Palmeiras
1979-1984 Flamengo
Títulos
Pelo Flamengo

Campeonato Brasileiro:1980, 1982, e 1983
Taça Guanabara: 1980, 1981, 1982, e 1984
Campeonato Carioca: 1981
Taça Libertadores da América: 1981
Mundial Interclubes: 1981
Estatísticas
Ano Jogos Gols Marcados
1979 1 0
1980 0 0
1981 32 0
1982 41 0
1983 45 0
1984 33 0
Total 152 0

Fonte: http://www.flamengo.com.br/flapedia/Figueiredo

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Carlinhos: 'Foi bom terem renovado com Andrade, pois ele conhece bem o clube'


Rodrigo Benchimol/GLOBOESPORTE.COM
Carlinhos espera os amigos do carteado chegarem à Gávea

Ex-treinador diz que o Flamengo mereceu ser campeão brasileiro e que fez bem ao manter seu ex-jogador no comando do time

Rodrigo Benchimol Rio de Janeiro

Durante boa parte dos dias úteis, Carlinhos vai à Gávea jogar o seu carteado. Esse é o principal passatempo do ex-jogador e treinador do Flamengo. Mas ele ainda tem acompanhado o futebol, mesmo que de longe. Tanto que admitiu, nesta quinta-feira, ter comemorado o Campeonato Brasileiro de 2009.

- Foi um título merecido e muito bonito de se ver. O Flamengo foi premiado pela sua competência. Não dá para dizer que essa conquista não foi justa. O Flamengo fez por merecer – disse Carlinhos, que foi treinador de Andrade na década de 80.

Por isso, ele vibrou também com a primeira conquista do seu ex-comandado como técnico. E aprovou a sua permanência na Gávea para 2010.

- Andrade mereceu ser campeão, pois fez um bom trabalho como técnico. E foi bom terem renovado porque ele já conhece o clube, sabe como as coisas no Flamengo funcionam... Houve uma combinação boa. Foi ótimo para o Flamengo e para todo mundo – disse Carlinhos.

Sem querer comentar que tipo de contratação precisa ser feita, o Violino está confiante para um 2010 de sucesso. Ele acredita que o Flamengo tem tudo para ser tão vitorioso quanto em 2009.

- Tenho fé que, com esse time, o Flamengo ganhará a Libertadores e o tetra do Estadual, que jamais conseguiu. Acredito que dá para conquistar tudo. Vou estar aqui acompanhando e torcendo – disse.

Como jogador, Carlinhos fez 517 partidas com a camisa do Flamengo, tendo marcado 23 gols e conquistado o Rio-São Paulo de 1961 e os Cariocas de 1963 e 1965. Como treinador, conquistou os Brasileiros de 1987 e 1992, a Mercosul de 1999 e os Cariocas de 1991, 1999 e 2000.

Atualmente, ele curte os seus 72 anos jogando baralho todas as terças, quartas e quintas, na Gávea. E conversando com a lucidez de sempre.

- Venho sempre jogar meu pif paf, que é uma espécie de buraco. Mas não aposto nada. O conceito é a distração – disse Carlinhos.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1419141-9865,00-CARLINHOS+FOI+BOM+TEREM+RENOVADO+COM+ANDRADE+POIS+ELE+CONHECE+BEM+O+CLUBE.html

Especial 3 - Flamengo Campeão Brasileiro de 2009


A união do grupo foi um dos principais fatores para a conquista do título rubro-negro

Primeiro campeão

Por Daniele Santos

Rio - O ano de 2009 entrou para a história do Flamengo. História da hegemonia, dos recordes, da emoção, da arrancada, do Estadual, do Brasileiro, dos flamenguistas. Assim como é o único campeão mundial carioca, com o título conquistado em 1981, agora o Flamengo se tornou o único campeão brasileiro carioca depois que a regra do campeonato mudou, em 2003, para os pontos corridos.

Com isso, a rivalidade entre o Flamengo e os demais times cariocas, que já era grande, promete aumentar. Atualmente, no Rio, o Flamengo tem a hegemonia em vitórias. Só no Campeonato Brasileiro, o Mais Querido é o único hexacampeão, campeão brasileiro carioca nos pontos corridos, o primeiro clube a atingir a marca de mil jogos na Primeira Divisão e o clube carioca que não sabe o que é jogar pela Série B.

Não bastasse ser o time Mais Querido do Brasil, é o que tem o maior recorde de público no Maracanã, a maior torcida do mundo e o time que tem o maior mosaico.

Como se não bastasse tudo isso, o Mengão acabou com a dinastia paulista no Brasileirão de pontos corridos. Depois do título do Cruzeiro (MG) em 2003, só deu estado de São Paulo. Mas o Rubro-negro mostrou mais uma vez sua força e mudou a história. Além disso, o hexa veio provar aos críticos que o Flamengo é um time que encara e vence todos os desafios. Se os outros cinco títulos vieram no sistema de mata-mata, com o time atropelando nas finais, o hexa mostra que o Maior do Mundo é um time que cresce nos momentos decisivos, mas também é o que mais pontos soma entre todos.

Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/ataque/flamengo_campeao_brasileiro_2009/primeiro.html

Especial O DIA

Link: http://odia.terra.com.br/portal/ataque/flamengo_campeao_brasileiro_2009/

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Campeão mundial pelo Fla, Lico vibra com o sucesso de Andrade



Arquivo/O Globo
Lico no time do Flamengo campeão da Taça Libertadores da América de 1981

Segundo o ex-ponta-esquerda e, hoje, professor de escolinha de futebol , 'o Tromba botou muito treinador no bolso neste Campeonato Brasileiro'

Guilherme Maniaudet
Rio de Janeiro

Antônio Nunes, mais conhecido como Lico, foi bicampeão brasileiro, da Libertadores e do Mundial pelo Flamengo. O ex-ponta-esquerda do Rubro-Negro fez parte, segundo o próprio, do maior time da história do futebol. Morando em sua cidade natal, Imbituba, em Santa Catarina, Lico vibrou com o hexacampeonato do clube carioca e, principalmente, com o sucesso do ex-companheiro e amigo Andrade.

- Minha torcida maior foi pelo Andrade, que é uma grande pessoa, um companheiro sério e honesto. Ele recuperou o time e, principalmente, jogadores que estavam em um momento difícil, como o Zé Roberto e o Aírton, que mais fazia falta do que jogava. O Andrade deu ao Flamengo um estilo de jogar futebol, mexeu com o coração dos jogadores, que o respeitam. Ele conseguiu um título que ninguém esperava. Mostrou que não é preciso usar terno e gravata e nem gritar feito um maluco na beira do campo. E que, às vezes, uma conversa ao pé do ouvido é bem mais interessante. O "Tromba" botou muito treinador no bolso neste Campeonato Brasileiro.

Lico confessa que a vida de torcedor é bem mais fácil do que a de jogador - o sofrimento maior é para aqueles que estão em campo.

- Não sofri com o jogo do Flamengo. Não tenho mais o que sofrer no futebol, não é mais aquela coisa doentia da época de jogador. O jogador sofre mais por estar representando uma paixão. Como torcedor eu sou tranquilo, e as minhas filhas sofrem mais do que eu. Eu costumo olhar o jogo friamente, ver quem realmente merece ganhar.

E com esse “olhar frio”, deixando de lado o torcedor, o ex-jogador afirma com a certeza de quem já viveu o futebol que o Flamengo mereceu ser campeão e que não tinha como o troféu ir para um lugar diferente da Gávea.

- Deu pra ver que os jogadores do Flamengo estavam ansiosos, mas dava pra perceber que a reação era questão de tempo. O time fez por merecer, e a torcida fez como sempre: empurrou. O Grêmio não tinha nada a perder e por isso estava mais leve. O Flamengo começou marcando muito atrás, mas rapidamente tomou conta de todo o campo.


Elogios para os jogadores rubro-negros também não faltaram.



- O Angelim mereceu fazer o gol do título. Ele é um zagueiro que sempre mantém o nível. Não vejo no Brasil nenhum melhor do que ele. O Willians também é um ótimo jogador, apoia e defende como poucos. E o Adriano e o Petkovic fizeram a diferença e desequilibraram.

Lico mora com a esposa Simone, com quem é casado há 31 anos e tem três filhas: Mônica, Mariana e Marina. O ex-jogador tem uma associação de amigos na cidade, onde é professor voluntário de futebol para garotos de 9 a 14 anos, na Associação Paes Leme de Futebol. Duas vezes por semana, vai a Florianópolis coordenar e orientar meninos em um campo de grama sintética, no Lico Esporte Center.

Com a experiência que tem, desde que passou a atuar em divisões de base em Santa Catarina, o ex-ponta espera um dia poder voltar a trabalhar no Flamengo.

- Eu tenho o sonho de trabalhar nas categorias de base do clube. Contribuir com a minha experiência. Apesar de ver esse sonho um pouco distante, tenho a esperança de que algum dia lembrem da minha pessoa.

Momentos inesquecíveis no Flamengo

Antes de se transferir para o Rubro-Negro, Lico passou pelo Grêmio e o futebol catarinense, onde conquistou três títulos estaduais. No Flamengo, as conquistas foram os Campeonatos Brasileiros de 1982 e 1983 e a Libertadores e o Mundial em 1981 - além do Carioca, no mesmo ano.

- Foi um sonho. Foram tantas conquistas, e me deram a oportunidade de ir pra lá, apesar de eu já ter uma certa experiência. O nosso grupo era uma grande família, formada por craques. Desde o Raul até o Zico. Sem desmerecer o Santos de Pelé, mas aquele foi o maior time que eu já vi na história do futebol, marcou a trajetória mundial do esporte. Todos respeitavam a torcida e a camisa: não tinha corpo mole e nem briga. Contato a gente não tem muito, principalmente por causa da distância. Mas tenho um carinho e respeito enorme e eterno por todos. Sempre que eu posso, os vejo.

Outro momento histórico na Gávea em 81 foi no dia 8 de novembro, quando o Flamengo devolveu o placar marcante de 6 a 0 pra cima do Botafogo. Lico marcou o terceiro gol da vitória (veja o vídeo).

- Este foi um jogo especial. Era um placar que estava entalado na garganta dos torcedores. Mas eu só fiquei sabendo da história no intervalo da partida, e que a torcida estava pedindo. Tinha que ser aquele dia, pois o Botafogo estava morto.

Em 1984, veio o pior e último momento da carreira do ponta. Devido a uma série de cirurgias no joelho, o jogador se viu obrigado a encerrar a carreira para não ter problemas mais graves no futuro.

- Parar por causa de lesão foi um baque violento, pois eu estava em um momento espetacular. Depois de fazer duas cirurgias e na terceira o médico falar que eu tinha que parar... Demorei a aceitar, só o tempo cicatriza essa ferida. E eu sei que poderia ter ido mais além, foi uma dor muito grande. Mas prefiro não lembrar muito desse fim. Hoje eu sou um homem feliz, e tenho uma família maravilhosa.

Lico mostra confiança nos próximos anos do Flamengo. O ex-atleta gostou da eleição da presidente Patrícia Amorim, e acredita que o time de futebol vai continuar na rota dos títulos se mantiver o atual elenco.

- A Patrícia Amorim mostrou que tem planejamento e é uma pessoa inteligente, com capacidade de administrar além da paixão. Vai acabar com certos preconceitos com a figura da mulher. Senti nela capacidade e organização. E não tem time melhor que o Flamengo no Brasil. Se mantiver a base, vai buscar ainda mais títulos no ano que vem.

Você Entrevista: Nunes parte II

"Meu gol mais bonito foi contra o Atlético-MG". Leia a parte final da entrevista, com as respostas do 'Artilheiro das Decisões' às perguntas dos internautas
Da equipe do site oficial do Flamengo

Aqui está a segunda e última parte das respostas de Nunes às perguntas selecionadas nesta novidade da agência Fla, o "Você Entrevista". As questões foram enviadas por e-mail para o site oficial e passaram por uma seleção - dado o volume de mensagens.

Gustavo Arruda, bancário, 31 anos, Blumenau (SC) - Nunes, poucos jogadores no Flamengo tiveram sucesso com a camisa 9 ao longo da história. Dizem até que ela é azarada. O que você acha que precisa para ser um bom camisa 9?
Nunes: Bom, o Gustavo tem razão naquilo que ele está colocando. Não é qualquer jogador que veste a camisa do Flamengo, certo. E eu vim da base do Flamengo. Desde pequeno que eu joguei junto com o Zico. Então, a gente já se conhece não por acaso, já de muitos anos. E mesmo nos juniores, a gente jogou junto e fez uma dupla perfeita. E isso nós levamos até o profissional. Eu tive que sair, estourei a idade, aí fui aparecer como profissional já no Nordeste e, depois, eu voltei para a Gávea. O Zico estava me esperando. Então, chegou o centroavante certo para jogar ao lado dele. Por isso que tudo deu certo.

Myllio Castelo Branco, 35 anos, economista, Belém (PA) - Nunes, você acha que no futebol de hoje ainda existe jogador que nem você, que tem amor pelo clube e fica eternizado?
Nunes: Com certeza. É só questão do jogador ter essa consciência. A prova taí. O Adriano começou, foi embora, não aguentou - essa que é a realidade. Não aguentou ficar por lá e voltou para o Rio e está aí no time que ele ama, e a gente tem o maior carinho por ele. O Clube tem que fortalecer as suas bases para poder resgatar esse amor pelo jogador pelo clube. Porque só dessa maneira você consegue. O Flamengo sempre teve uma boa base, sempre teve uma sintonia muito grande, da base com o profissional, e o Flamengo
não poder perder isso.

Marcos Aurelio Brito Santo, 44 anos, segurança, Rio de Janeiro (RJ) - É verdade que alguns dos gols mais importantes você fez de canela?
Nunes: Se ele for flamenguista, ele sabe que não foi dessa maneira. Foi bem feito, com a perna direita, com a perna esquerda, de cabeça e bem consciente.

Hildebrando Costa, de Contagem (MG) e Ricardo Araujo, 30 anos, advogado, Timbó (SC) - O que você acha de jogadores de um clube receberem "mala branca" - receber dinheiro para se esforçar mais, vencer uma partida em benefício de um outro clube?
Nunes: Eu acho que o jogador que chega a esse ponto, eu não considero um profissional. O jogador de futebol tem que ter caráter, saber ser profissional e procurar não deixar que pequenas coisas atinjam ou manchem a profissão do jogador.

Carlos Victor L. Nogueira, 47 anos, despachante aduaneiro, Manaus (AM) - Explica como foi sua passagem pela base do FLA, como foi que saiu, não foi aprovado, faça um histórico, até voltar para o nosso Mengo?
Nunes: Eu cheguei ao Flamengo com 14 anos de idade. Fiz toda a base do Flamengo até completar 19 anos. Cheguei ao Exército, aí estourei a idade no Flamengo. E o Flamengo não me aproveitou na época porque tinha o Doval, o Caio Cambalhota, Dionísio, Silva. Tinha vários centroavantes e eu era mais um que tinha estourado a idade nos juniores e havia quatro ou cinco na posição. O Flamengo, realmente, não é que não tenha acreditado. O Flamengo falou: "Vai fazer o quê? Vai ser mais um que vai ficar? Então, vamos dispensar". E mandou embora. E o ex-massagista do Flamengo, Mineiro, me disse: "Olha, o Confiança do Aracaju tem um treinador que se chama Dequinha. Dequinha simplesmente jogou no Flamengo. E pediu um centroavante. Você quer ir pra lá?". Eu disse: "Vou!". E ele disse: "Vou escrever uma carta com o seguinte: 'Dequinha, encontrei o centroavante que você queria'". E me entregou a carta e eu fui. E fui lá para o Confiança e graças a Deus dei sequência ao que tinha aprendido na base do Flamengo e a lição de vida e a base que eu tive dentro do Exército, de disciplina, fez com eu desse aquela arrancada, com profissionalismo e segurança. E eu disse: "Eu vou vencer porque quero ser jogador de futebol". Estourei no futebol brasileiro. Um ano depois já havia vários clubes querendo me contratar - o Flamengo, o Vasco, o Corinthians, o São Paulo, o Fluminense, Bahia. E eu jogando no Santa Cruz. Aí, o Fluminense foi lá e me comprou. Depois eu fui para o México. Aí, o Flamengo foi me buscar no México. O Flamengo foi me buscar na hora certa e eu cheguei na hora certa para conseguir todos esses objetivos e, graças a Deus, eu sou uma pessoa feliz. Alguns dos maiores gols da história do Flamengo, em decisão, eu que fiz. Tenho orgulho de estar na história do Flamengo, saber que sou uma pessoa reconhecida não só no futebol brasileiro, mas na Nação Rubro-Negra - sou um ídolo. E meu nome está inscrito na história do Flamengo. Enquanto existir o Flamengo, eu nunca vou me separar.

Diogo Rozendo da Silva, 27 anos, extrusor, Jequié (BA) - Se você estivesse jogando hoje, qual seria seu parceiro ideal no ataque?
Nunes: Zico (risos).

Geraldinho Sátyro, 60 anos, motorista, São Mateus (ES) - Você sente saudade daquele calor da galera e de jogar?
Nunes: Eu sou artilheiro do master (risos). Continuo artilheiro, mesmo com 50 e poucos anos, fazendo a festa da galera. Na hora que chegamos nas cidades, para se ter uma ideia, chega a ter 10, 20 mil torcedores no estádio. Para se ver o carinho, o respeito e a importância que nós temos para a torcida do Flamengo. Isso aí não tem coisa melhor que o carinho. Ver essa nação perto da gente. Todo mundo sente falta - tanto a torcida como a gente.

Renato Vasconcelos Ribeiro, 32 anos, cirurgião dentista, Vila Velha (ES) - Qual foi o gol mais bonito pelo Flamengo?
Nunes: Todos foram bonitos. Tanto eu como a torcida do Flamengo temos aquele contra o Atlético-MG, porque ali começou a arrancada para todos os objetivos que nós conseguimos.

Davis Sena Filho, 50 anos, jornalista, Rio de Janeiro (RJ) - Quais foram os maiores zagueiros que você enfrentou? Os mais técnicos e os que mais batiam?
Nunes: Eu comecei numa época que só tinha zagueiro que metia a porrada, mesmo (risos). Moisés, Renê, Abel, Assis, Silveira, Roberto Rebouças do Bahia, Anchieta, Figueroa... Rapaz, só nego que metia a madeira, mesmo. Mas comigo não tinha essa, não. Se eles mexessem comigo, eu metia madeira neles também. Claro que sempre fui um jogador que tinha um vigor físico muito forte porque eu me preparava e muito. E zagueiro para me achar era difícil porque eu não dava sossego, eu não parava dentro de campo, eu não aceitava marcação, eu me movimentava muito. Por isso que eles tinham muita dificuldade de me marcar porque a minha movimentação era meu ponto forte. Eu gostei muito do Figueroa; Anchieta tinha uma elegância; Luisinho, do Atlético-MG; o Amaral, do Guarani. Esses foram excelentes jogadores.

Rafael Cotta, 26 anos, assistente de marketing, Rio de Janeiro (RJ) - Aquela foto famosa em que aparecem você e o goleiro Emerson Leão, quando este jogava pelo Grêmio. Você aparece apontando o dedo para ele. O que houve ali naquela cena? O que ele falou para você?
Nunes: O lance que aconteceu com o Leão, naquela decisão Flamengo e Grêmio, foi algo que aconteceu de repente. Não pode existir covardia. E o Leão fez uma covardia comigo. Teve um lance, não sei se foi o Zico ou o Andrade que lançou a bola para mim, que eu corri, só que a bola foi mais para o Leão do que para mim. Eu evitei me chocar com ele. Ele simplesmente dominou a bola e me esperou com o cotovelo. Bateu na minha boca e cortou. Aí, falei para ele: "Pô, Leão, precisava fazer isso? ". E ele: "Ah, você que começou a fazer gracinha". Aí eu disse: "Ó, da próxima vez que você soltar a bola, eu vou chutar a sua cara". Eu achei uma covardia da parte dele, não tinha necessidade. E ele tentou jogar a torcida do Grêmio contra mim, dizendo que eu tinha chamado a torcida do Grêmio de canalha. Jamais que eu ia fazer uma coisa dessas. Tentou criar um clima ruim e isso me deixou chateado. Nós não conseguimos dormir lá [em Porto Alegre] no segundo jogo, que empatamos de 0 a 0, numa quarta para quinta-feira porque a torcida estava soltando fogos, chateada porque pensando que eu tinha falado isso. E na noite seguinte fomos para Gramado, subimos a Serra, por causa dessa situação. Mas simplesmente ele tentou, mas não conseguiu [me abalar]. No domingo, nós retornamos para jogar a decisão no Olímpico e foi pior ainda. Todo mundo que descia era aplaudido. Quando eu desci, a torcida começou a me xingar e eu comecei a dançar. Aí eu disse: "Agora vou encarar". E eu não sabia que o Zico tinha falado para a TV que o placar seria 1 a 0, gol do Nunes. E foi o que aconteceu: 1 a 0, gol do Nunes. Eu não sabia que Zico era vidente (risos).

Elias da Silva Santos, 48 anos, funcionário público, Tucano (BA) - Nunes, na final do Mundial de clubes contra Liverpool, você e o Zico, ganharam um automóvel de da Toyota de presente. Zico dividiu o prêmio com os companheiros. É verdade que você não fez o mesmo?
Nunes: Quem ganhou o carro foi o Zico como melhor em campo. E o segundo carro, eu, como artilheiro e destaque em campo. Um carro era do Zico e outro do Nunes. Cada um recebeu sua participação. Todo mundo botou seu dinheiro no bolso e ficou feliz.

Fonte: http://flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=7158

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Sábia homenagem ao Flamengo

Sun Tzu rubro negro

Machado de Assis, pela boca do seu Quincas Borba, tentando explicar a sua teoria do humanitismo, disse: “Ao vencido, ódio ou compaixão; ao vencedor, as batatas!”. Pois bem! Aceito as batatas, desde que os vencidos aceitem a minha compaixão e recebam um lenço e o livro de Sun Tzu, “A arte da guerra”.

Dou um lenço, para enxugar as lágrimas, já que o choro é mesmo válido para os derrotados; dou um livro, para que os adversários aprendam sobre a guerra e a sua arte e se tornem melhores guerreiros, pois essa história do FLAMENGO viver ganhando, está nos deixando entediado.

Nunca um título teve tanto a cara do FLAMENGO, como esse brasileirão de 2009. Saindo do fundo do poço, vários pontos atrás dos líderes, o rubro negro da Gávea usou como ninguém a sabedoria do chinês fantástico, que 500 anos antes de Cristo, escreveu o seu sensacional livro.

E ensinava Sun Tzu: “Lutar e vencer todas as batalhas não é a glória suprema: a glória suprema consiste em quebrar a resistência do inimigo sem lutar... O guerreiro vence os combates não cometendo erros. Não cometer erros é o que dá a certeza da vitória, pois significa conquistar um inimigo já derrotado”.

Os nossos adversários abusaram do direito de errar: O Palmeiras passou quase vinte rodadas sendo líder, menosprezou a todos, assumiu sua condição de campeão por antecipação e viu-se o título lhe escapar, e quando seu exército quis reagir já era tarde. Aliás, o exército palmeirense se esqueceu de ler a página 56 do livro de Sun Tzu: “Quem não for precavido e fizer pouco dos seus adversários, certamente será capturado por eles”.

Final melancólico do alviverde paulista: terminou fora até da libertadores; O São Paulo - cheio de empáfia, o que já é natural e por isso Nelson Rodrigues dizia que não havia solidão maior do que a companhia de um paulista – quando assumiu a liderança talvez precisasse das sábias palavras da página 64 da Arte da guerra: “Clamor noturno indica nervosismo. O medo torna os homens inquietos, levando-os a gritar de noite... Se há confusão no acampamento, o general tem pouca autoridade...”.

A troca de socos entre os jogadores paulista (André Dias e Hugo), no jogo contra o time do Vitória, mostrou a desunião do grupo e não há vitória em exército desunido. Já o nosso rubro negro, leitor assíduo de Sun Tzu, sabia que a página 86 era uma das mais importantes: “O general habilidoso conduz seu exército como se estivesse levando um único homem. Compete a um general ser calado e, assim, assegurar o sigilo; honesto e justo, mantendo dessa forma a ordem. Deve ser capaz de confundir seus oficiais e soldados com relatórios e aparências falsas, mantendo-os em total ignorância”.

Então, o técnico Andrade agiu exatamente assim: se fazendo de morto... O tempo todo dizendo que o único objetivo do FLAMENGO era “apenas” conquistar uma vaga no G4, para disputar a libertadores. E na verdade, a vaga que o time da Gávea queria era a primeira. Era o título.

Por isso, ao assumir a liderança, na penúltima rodada do campeonato, fez valer os ensinamentos da página 81 de Sun Tzu: “Para o soldado, dominar a rapidez é de suprema importância e ele jamais deve perder oportunidades”.

E o FLAMENGO não desperdiça as oportunidades, afinal está lá no seu hino: “Vencer, vencer, vencer... (seis) vezes FLAMENGO, FLAMENGO até morrer...”.

Francisco Edilson Leite Pinto Junior é professor, médico e escritor

Extraído do Blog: http://www.blogdocarlossantos.com.br/

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Nação rubro-negra também grita hexa em russo e ucraniano



Fabricio Yuri
Rio de Janeiro

Se dentro de um país existem vários sotaques, dentro da nação rubro-negra existem várias línguas. No rol de idiomas da 'Nação', também há espaço para o russo e o ucraniano. Pavel Sentiakov, um especialista em segurança de 43 anos que mora em Kamensk, no interior da Rússia; e Dimitri Titor, de 30, procurador-geral em Kiev, capital da Ucrânia, provam que a distância não é nada para uma paixão. Mostram, com orgulho, seu amor para o Flamengo ao mundo todo. Juntos, eles criaram o site 'Flamengo-rus' (http://www.flamengo-rus.ru/) e não deixam nenhum geraldino para trás no que diz respeito ao carinho pelo seu time. "Torço para um dos maiores times do mundo", diz Titor, enquanto Sentiakov vai mais além: "Quero o Carioca, o Brasileirão e a Libertadores".

E se você acha que ambos começaram a torcer pelo mais querido do Brasil por conta do hexacampeonato, está enganado. A história do ucraniano Titor começa lá no início dos anos 90, quando assistiu a um especial sobre Zico, que contava desde suas glórias no clube carioca até sua contribuição para o desenvolvimento do futebol no Japão. Mas, com toda a dificuldade de obter informações naquela época, só com a popularização das TVs por cabo e satélite, no final dos anos 90, que Titor começou mesmo a acompanhar os jogos de seu time.

- Desde 1993 eu sou Flamengo. E depois, quando pude começar a assistir aos jogos, a ver a torcida lotando o Maracanã, eu realmente percebi que não poderia torcer para nenhum outro clube. Desde então meu coração é rubro-negro e assim será para sempre - diz, orgulhoso, ao GLOBOESPORTE.COM.

Por sua vez, Sentiakov era, como muitos outros pelo mundo, um fã do Santos de Pelé. Sua paixão começou ainda na escola, quando leu seu primeiro livro sobre futebol brasileiro: "Pelé, Garrincha, Futebol...". Mas toda essa fascinação pelo clube paulista acabou caindo por terra. O russo fora arrebatado pelo mesmo Flamengo de Zico, ainda na mesma época de Titor.

- Eu sempre tive uma queda pelo Flamengo. Nele jogaram lendários como Zico, Leonardo, Júnior. Não teve jeito: acabei me tornando um autêntico carioca flamenguista - , derrete-se o russo.

Embora compartilhando da mesma paixão, ambos só foram se conhecer pela internet, em 2005, quando Pavel Sentiakov colocou no ar o site Torcida.com.ru (http://www.torcida.com.ru/), que fala somente sobre futebol brasileiro. Tudo em russo, lógico. Com o nick "Carioca", Dimitri Titor se tornou um dos frequentadores mais assíduos da página e surpreendeu Sentiakov com seu conhecimento sobre nossos campeonatos e jogadores. Em 2009, enfim, entra no ar o Flamengo-rus - com todas as notícias, história, elenco, fotos e tudo que você pode imaginar sobre o Fla.

- Imagina só: no ano que colocamos o site no ar, o nosso time se torna campeão brasileiro, após 17 anos... Isso é fantástico!" - orgulha-se Sentiakov, que acredita ter dado uma mãozinha de sorte para o título rubro-negro.

Mas aí você pensa logo que os dois não são torcedores mesmo, daqueles que sofrem com o time. E se engana feio. Ambos fazem questão de mostrar ao mundo inteiro a alegria de ser rubro-negro: assistem a todos os jogos do Flamengo - seja pela TV ou pela internet - usando o manto sagrado, torcendo, gritando e sofrendo com o time. E, eventualmente, dando aquela xingadinha também. Depois da partida, todo mundo para a internet, saber das notícias, ver os detalhes - tudo com ajuda de programas tradutores - para depois escrever em seus sites.

- Graças ao torcida.com.ru e ao flamengo-rus.ru, os russos e ucranianos vão sabendo cada dia mais sobre o futebol do Brasil. Nós somos o primeiro site em russo sobre os campeonatos estaduais e nacionais do Brasil. E, depois que as TVs começaram a passar os jogos daí, o interessse cresce cada dia mais - explica o rubro-negro Titor.

Dimitri e Pavel, no entanto, não são dois solitários: em seus sites, centenas de 'bolel'shiki' - torcedores, em russo - aparecem para comentar e, lógico, torcer. Tudo no mais claro russo. Ainda são poucos, se comparado com a atração que o bilionário futebol do Velho Continente exerce sobre o Leste Europeu, mas já é um número significante. Sentiakov - que torce abertamente pela seleção brasileira e é acusado pelos amigos de não ser patriota - nem assiste ao futebol de seu país:
- É, não acompanho mesmo. Gosto de ver futebol, torço pelo futebol bonito. Por isso acompanho o futebol brasileiro.

Nomes como Sócrates, Zico, Júnior, Andrade, Renato Augusto, Ibson, Romário e tantos outros são frequentes nas histórias que Dimitri e Pavel contam em seus países.

- Não faz muito tempo, fiquei muito feliz quando uma lenda do jornalismo esportivo soviético, autor de alguns livros sobre o futebol brasileiro, Igor Fesunenko, me escreveu. Ele viveu muitos anos na América do Sul e conheceu Pelé, João Saldanha e tantos outros. E agora é meu amigo e colaborador do site torcida.com.ru. Trocamos muitas histórias interessantes. Aprendemos a conhecer e amar o futebol brasileiro. Nós somos os melhores do mundo - brinca Pavel, sendo que o "nós" aí quer dizer futebol brasileiro, onde ele, naturalmente, se inclui.

- Certa vez, os colegas de trabalho me convidaram para jogar futebol com eles. Então, botei a camisa do Flamengo e, ao entrar em campo, todos me perguntaram "que time é esse?". Aí eu expliquei "É o Flamengo, onde jogaram ídolos como Romário e Bebeto. E essa é a 10 com a qual jogou Zico, que era como um Pelé branco". Aí então os colegas brincaram comigo: "Então, Zico, mostra aí do que você é capaz". Eu fiz um golaço e dei o passe para outro. Depois do jogo, um senhor veio e disse: "Parabéns, Zico. Golaço". Essa camisa joga sozinha!

Ah, e eles não podiam deixar de comemorar o hexa rubro-negro. E mandar seus recados para seus compatriotas, que, segundo os próprios, deveriam abandonar seus passaportes e trocar por um "rubro-negro".

- Gostaria de parabenizar toda a nação rubro-negra pela vitória, pelo hexacampeonato. E não devemos parar por aí. Vamos continuar nossa sequência de vitórias na Taça Libertadores. Espero, num futuro próximo, visitar o Rio, meu amado Flamengo, e torcer junto com vocês no Maracanã - diz o animado Titor, que não deixa fora de seu vocabulário palavras como "rubro-negro", "Mengo" e "Nação", escritas assim mesmo, em português.

E seu parceiro de ataque, Sentiakov, chama para si a responsabilidade de fechar com chave de ouro:

- Falo em nome de todos os torcedores russos: parabenizo os treinadores, jogadores e diretoria do nosso Flamengo, pela conquista desses tão esperado título. Que ninguém se machuque e, desta forma, consiga trazer novas vitórias a essa torcida maravilhosa. Mesmo a milhares de quilômetros, vou torcer cada dia mais pelo Flamengo. E que cada jogador saiba: ele tem torcedores até na Rússia - brinca.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1413829-9865,00.html

Um hexa (também) conquistado fora de casa

Elevação do desempenho do Flamengo como visitante leva equipe ao título
Da equipe do site oficial do Flamengo
Vitória no Palestra Itália: um marco da campanha
A força do Flamengo no Maracanã sempre foi conhecida. Ao lado da torcida, o clube tem alguns títulos históricos. Fora dos seus domínios, já é diferente. Não são poucos os que questionavam a capacidade do Flamengo para ganhar jogos na casa dos adversários. Mas foi justamente graças ao desempenho como visitante que a história do Hexa começou a ser construída. O Flamengo ganhou 26 dos seus 67 pontos (38,8%) em partidas em que o mando do jogo era do oponente - incluído aí o Fla-Flu válido no primeiro turno (0x0).

Embora não tenha sido o melhor desempenho como visitante na competição - o Cruzeiro, entre os cinco mais bem colocados obteve 29 pontos -, a recuperação da equipe quando teve que sair do Rio de Janeiro derrubou todas as previsões de matemáticos como o professor Tristão Garcia, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Em sua metodologia, o especialista leva em conta o desempenho regresso dos times quando jogam fora. E o primeiro turno do Flamengo foi apenas regular. Dos 27 pontos disputados com seu nome na coluna 2 da Loteria Esportiva, a equipe amealhou 08 (29,6%) - abaixo da chamada média inglesa (33,3%).

Depois de começar mal o segundo turno, com derrota para o Avaí na Ressacada, onde jogou com muitos garotos da base, a equipe reforçada por Álvaro e Maldonado ganhou consistência defensiva e começou a garimpar pontos preciosos longe do Rio. Empatou com o Atlético-PR na temida Arena da Baixada e mostrou muita fibra num completamente alagado Beira Rio, onde o Internacional era tido como favorito. Foram dois 0x0 - exatamente a vantagem do Rubro-Negro para o segundo colocado na tabela de classificação - o próprio Inter, que obteve 25 pontos longe do seu estádio.

Outro empate, conquistado nos descontos diante do Vitória, no Barradão, manteve a confiança do grupo e da torcida nas possibilidades de ganhar uma vaga na Libertadores. O sonho do título começou a se desenhar quando o Flamengo venceu com autoridade o então líder do campeonato, o Palmeiras, em pleno Palestra Itália, para perplexidade dos alviverdes de São Paulo. Mesmo num clássico, no campo ao qual o Botafogo está mais habituado, o do Engenhão, a equipe de Andrade mostrou personalidade e derrotou o velho rival.

Na rodada seguinte, um tropeço inesperado na Arena Barueri. O time da casa jogou melhor, criou mais chances e venceu com justiça - em triunfo arranhado pela suposto recebimento de "mala branca" por parte dos jogadores do Barueri, a partir de depoimento de dois atletas da equipe paulista a uma rádio.

A partir daí, superando todos os prognósticos, a equipe da Gávea venceu todas fora de casa: Atlético-MG (1x3), Náutico (0x2) e Corinthians (0x2). Uma arrancada sensacional que levou o clube das posições intermediárias para o topo da tabela ao final da penúltima rodada.

O desempenho no returno foi excepcional, mas no primeiro turno o Flamengo também conquistou pontos essenciais fora de casa. Entre eles, o empate com o então tricampeão nacional, o São Paulo, dentro do Morumbi, e a vitória sobre o Santos na Vila Belmiro, que quebrou um tabu de mais de 30 anos no local.

Veja o desempenho das cinco equipes mais bem colocadas como visitante:

Flamengo - 26 pontos
Internacional - 25 pontos
São Paulo - 23 pontos
Cruzeiro - 29 pontos
Palmeiras - 19 pontos

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=7567

Bastidores do Hexa

’Esporte Espetacular’ mostra os detalhes do título brasileiro do Flamengo antes, durante e depois da vitória sobre o Grêmio

GLOBOESPORTE.COM
Rio de Janeiro

Uma semana depois da conquista do hexacampeonato brasileiro, o programa “Esporte Espetacular”, da Rede Globo, apresentou, neste domingo, uma matéria com os bastidores da vitória por 2 a 1 do Flamengo sobre o Grêmio, no Maracanã, na última rodada do Brasileirão 2009. Há imagens da tensão e da euforia na arquibancada, e até de dentro do vestiário rubro-negro, antes, durante e depois da partida. A reportagem contou com a colaboração da FlaTV, que cedeu alguns momentos emocionantes da conversa do time, como o agradecimento de Petkovic aos companheiros antes da entrada em campo.

O esforço dos torcedores para conseguir um bom lugar dentro do estádio, a ansiedade de todos os rubro-negros pelo título nacional 17 anos após o penta de 92. O nervosismo transformado em brincadeira entre os jogadores no hotel até o apito final do árbitro. Em pouco mais de 13 minutos, uma história de raça, amor e paixão.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1413624-9865,00-BASTIDORES+DO+HEXA+SUSPENSE+E+FESTA+NA+ARQUIBANCADA+E+NO+VESTIARIO+DO+MARAC.html

Excelente reportagem assisti ontem e gostei bastante.

Um presente de Natal

A conquista do hexa se confunde com a trajetória de Leonardo Moura: uma história com final feliz

POR JANIR JÚNIOR

Rio - Foi um presente de Natal, uma história com final feliz. O hexacampeonato do Flamengo começou a ser desenhado e escrito antes das 17h do domingo, dia 6 de dezembro. Na véspera do jogo decisivo contra o Grêmio, na concentração da Granja Comary, em Teresópolis, Leonardo Moura acordou cedo e contagiado pelas boas energias que emanavam de Adriano, Andrade e todos os jogadores. Aquele momento precisava ser registrado. Nas palavras do lateral-direito, Deus escreveu certo e não foi por linhas tortas, mas sim traçadas para um final feliz.

“Acordamos no sábado com sentimento positivo. Tudo o que passava pela minha cabeça e coração precisava ser documentado para jamais ser esquecido. Escrevi e foi como um filme que passou pela cabeça”, revela Léo Moura, que trocou o papel e a caneta pela modernidade do Itouch.

O jogador diz que no futebol logo fica claro quando a coisa não vai funcionar. Em momento algum esse sentimento pairou no ar. Na véspera do jogo, com a forte chuva em Teresópolis, uma simples brincadeira num jogo de basquete fez a alegria dos jogadores, que riam, se abraçavam e previam que o melhor estava por vir.

“Nós jogadores passamos muito tempo juntos. Todo clima era positivo. Para toda aquela alegria ser completa faltava o título, que era importante para todos nós. E aconteceu”, desabafa Léo Moura.

A história particular do jogador não foi apenas flores. Com o técnico Cuca restaram espinhos desde que Léo Moura tomou conhecimento que o treinador o criticava nos bastidores. E teve reflexo nas arquibancadas: o lateral que alternava altos e baixos começou a ser perseguido por parte da torcida. No jogo contra o Náutico, a relação estremeceu de vez.

Vaiado, Léo Moura marcou um gol e diante das câmeras de TV feriu a Nação ao gritar: “Vai .... Cambada de f.d.p”. Hoje, a explicação é de um casal em briga. “É um caso de amor com o Flamengo e a torcida. Namorados não brigam? Casal briga. Serviu como lição”.

A história de Léo Moura começou a ser escrita bem antes da decisão. Quando o árbitro apitou o fim do jogo, Léo Moura lembrou da família, das filhas Isabella e Maria Eduarda e dos tempos de criança na Vila Kennedy, quando acordava cedo e pegava ônibus para ir treinar. O Natal será na comunidade da Zona Oeste. Um fim de ano feliz e que remete o jogador ao começo de sua história. Uma historia com final feliz.

Fonte: http://odia.terra.com.br/portal/ataque/flamengo/html/2009/12/um_presente_de_natal_52942.html

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Éverton - o matogrossense bom de bola




Éverton Cardoso da Silva
De Flapédia
Ir para: navegação, pesquisa

Biografia

Éverton Cardoso da Silva ( Nortelândia, 11 de Dezembro de 1988 - ) é um rápido meia-ofensivo contratado pelo Flamengo junto ao Paraná no ano de 2008.

Habilidade e velocidade são os mais importantes componentes que integram o cartão de visitas do jovem meia Éverton Cardoso da Silva.

Revelado pelo Paraná, o jogador matogrossense comandou a equipe de Curitiba no tempo em que defendeu as cores daquele scratch. Sua habilidade era tamanha, que a imprensa especializada chegou a afirmar que o Paraná havia se tornado dependente de Éverton.

Não demoraram a se tornar constantes os assédios por parte dos grandes clubes brasileiros, ainda em meados de 2008, o Santos então comandado por Cuca, se uniu a investidores a fim de levar o jogador para a Vila Belmiro, mas por fim, o Flamengo foi quem conseguiu a contratação de Éverton para a temporada 2009.

Todavia, o clube havia sofrido baixas importantes e necessitava de atletas que compusessem o elenco justamente no setor trabalhado por Éverton, de forma que, o Mais Querido do Brasil não poupou esforços para trazer o meia antes mesmo do que havia sido combinado. Assim, mediante empréstimo de quatro atletas rubro-negros, o meia se uniu á equipe de futebol do Flamengo e se tornou peça importante para a obtenção do quinto lugar na disputa do certame nacional de 2008.

Em 2009 o atleta foi mantido no elenco pelo então treinador Cuca, admirador assumido do seu futebol. Com o passar do tempo e a saída de algumas peças como Marcelinho Paraíba e Josiel, Éverton passou a ter seu nome mencionado com constância na equipe titular, sempre correspondendo ás expectativas.

Com a lesão do lateral Juan, o jogador assumiu a posição de titular improvisado na ala esquerda e agradou toda a torcida. Mesmo com a recuperação do titular Juan, ele continuava dono da posição até sofrer uma série lesão onde poderia ficar afastado dos gramados até o final do ano.

Com uma rápida recuperação, chegou a ter condições de participar da última partida do ano que sagrou o Flamengo como campeão do Campeonato Brasileiro 2009.
Dados

Nome Completo: Éverton Cardoso da Silva
Dia do Nascimento: 11 de Dezembro de 1988(11-Predefinição:Pad2digit-Predefinição:Pad2digit) (21 anos)
Nascimento: Nortelândia (MT)
Altura: 1,74m
Peso: 66kg
Histórico
Anos Time
2007-2008 Paraná
2008-2009 Flamengo
Títulos
Flamengo

* Campeonato Brasileiro: 2009
* Taça Rio: 2009
* Campeonato Carioca: 2009

Outros Clubes
Estatísticas
Ano Jogos Gols Marcados Assistências Cartão Amarelo Cartão Vermelho
2008 6(4) 0 3 3 0
2009 31(11) 4 4 8 0
Total 52 4 7 11 0
Ver também

* Jogos pelo Flamengo

Retirado de "http://www.flamengo.com.br/flapedia/%C3%89verton_Cardoso_da_Silva"

Mais de mil recebem Ronaldo Angelim na madrugada chuvosa de Juazeiro do Norte



Herói do título do Flamengo, Ronaldo Angelim é recebido por uma multidão no Ceará

Aos gritos de ‘o campeão voltou’, zagueiro teve até carreata pela conquista do Brasileirão: ‘É o momento mais maravilhoso da minha carreira’

Rodrigo Benchimol
Direto de Juazeiro do Norte, CE

Pode até parecer exagero, mas não é. A Polícia Militar de Juazeiro do Norte (CE) confirmou que mais de mil rubro-negros estiveram no aeroporto da cidade para receber Ronaldo Angelim na madrugada desta sexta-feira. Nem mesmo a chuva e o horário do vôo diminuíram o ímpeto dos torcedores na recepção ao seu filho ilustre.

Aos gritos de “o campeão voltou” e “é o melhor zagueiro do Brasil”, o autor do gol que garantiu o Campeonato Brasileiro de 2009 ao Flamengo pisou em solo cearense. Depois de um atraso de mais de 12 horas – era para ele ter chegado às 12h de quinta-feira - Angelim deu um forte abraço nos pais, Seu Antônio e Dona Francisca, e na avó de 93 anos, Dona Antônia, antes de conceder improvisada entrevista coletiva à imprensa local, na sala de embarque do aeroporto.

- Minha felicidade é enorme. Ele trabalhou muito para conquistar tudo isso que vocês estão vendo – disse a avó.

Herói do título do Flamengo, Ronaldo Angelim é recebido por uma multidão no Ceará
Depois de várias perguntas, Angelim passou com muita dificuldade no meio da torcida até o trio elétrico. De lá, seguiu em carreata até sua casa, provocando um grande congestionamento de carros e motos pela cidade. Do alto do caminhão, o zagueiro, cujo contrato termina este mês, agradeceu ao carinho recebido e deixou claro ao seu povo qual é sua intenção para 2010.

- Muito obrigado por estarem me recebendo desta maneira até esta hora. Dormi até mais tarde e acabei perdendo o voo. Espero poder continuar no Flamengo e quem sabe trazer a Libertadores. Mas agora eu só quero festejar esse título do Campeonato Brasileiro – disse Angelim ao microfone.

A partir de domingo, acompanhe no GLOBOESPORTE.COM e no Esporte Espetacular toda a popularidade de Ronaldo Angelim em Juazeiro do Norte, cidade onde ele foi criado e começou a carreira como jogador.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista coletiva:

Você vai renovar com o Flamengo? E essas propostas que você recebeu?

- Não estou pensando nisso. Deixo para o Flamengo resolver. Não quero falar de outras propostas. Meu desejo é continuar. Já estou adaptado ao Rio de Janeiro, ao clube e todos sabem do meu carinho. Mas agora só quero comemorar o máximo que eu puder. Quero curtir este momento.

Esperava uma festa assim tão grande?

– Aqui tem muito flamenguista. A torcida do Flamengo é enorme. Mas não sabia que iria causar este impacto. Estou muito feliz e quero curtir com o povo. Todas as vezes que eu vim para cá passar as férias foram tranquilas. Agora é essa loucura. Não sei se é por causa dos 17 anos de jejum, se foi pelo meu gol... A ficha ainda não caiu direito. Só sei que é o momento mais maravilhoso da minha carreira.

O que você achou da queda do Fortaleza para a Série C?

– Fiquei muito triste com esta situação. É um clube que tem uma boa estrutura, uma grande torcida e eu fiquei chateado de verdade. Estou torcendo para que os dirigentes façam um bom trabalho e que o clube volte para o seu lugar.

E sobre o Icasa, que subiu para a Série B?

– Fiquei muito feliz. É a equipe que me fez para o futebol. Vou torcer agora para que o Icasa suba para a Série A. Seria muito legal enfrentá-lo pelo Flamengo.

Na próxima segunda-feira, o Flamengo deve ser recebido pelo presidente Lula, em Brasília. Você vê algum tipo de semelhança entre a sua trajetória e a do presidente do Brasil?

– A diferença é o dinheiro que ele tem (risos)... Mas eu vejo semelhanças, sim. Viemos do Nordeste e batalhamos muito. Só que ele virou presidente e eu apenas jogador do Flamengo.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1411354-9865,00-MAIS+DE+MIL+RECEBEM+RONALDO+ANGELIM+NA+MADRUGADA+CHUVOSA+DE+JUAZEIRO+DO+NOR.html

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Flamengo é PENTA



Mais uma taça está a caminho da Gávea. O Flamengo conquistou o pentacampeonato carioca de basquete masculino adulto ao derrotar, nesta quarta-feira (09/12), o Club Municipal/Ponto Mix Automóveis/Marinha por 94 a 59 (56 a 30 no primeiro tempo), no Ginásio Allah Baptista, na Tijuca, Rio de Janeiro.

A equipe impôs seu jogo no primeiro tempo, vencendo o primeiro quarto por 34x22 e o segundo, por 22x08.

Com 56x30 no placar, o time diminuiu o ritmo e o clube tijucano fez 21x10 no terceiro quarto, reduzindo a diferença para 66x51. No último quarto, o time se acertou e não deu chances ao Municipal, marcando 28x08. Final, Flamengo 94x59 Municipal. O cestinha foi o armador Hélio, com 21 pontos, seguido por Fred e Duda, ambos com 12, e Teichmann, com 09. Pelo Club Municipal, os que mais pontuaram foram o ex-rubro negro Júlio (18) e Diego Moleza (17).

Para o armador Helio, o título é um fecho de ouro para o ano de 2009. "Ganhar é sempre bom. Conseguimos botar um ritmo bom no início, tivemos um momento ruim no terceiro quarto, mas fomos bem no final. Agora já pensamos na Liga das Américas", disse Hélio ao site oficial momentos antes de receber a medalha.

O Flamengo estreia no dia 14 de dezembro, segunda-feira, na Liga das Américas, em Isla margarita, na Venezuela. O adversário será o Capitanes Arecibo, de Porto Rico. No dia seguinte, a equipe enfrenta os mexicanos do Halcones Rojos. O último compromisso será diante dos venezuelanos do Espartanos Margarita.

Mais informações na Agência Fla e no blog Zona Flabasquete no site oficial do flamengo, www.flamengo.com.br

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Um ano para ficar na memória


Pet e Adriano foram fundamentais para o hexa

Flamengo tornou-se o maior vencedor da história do Campeonato Carioca e retomou o topo do Brasil
Da equipe do site oficial do Flamengo

O Flamengo foi eliminado da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil em 2009. E daí? É exatamente este o pensamento do torcedor rubro-negro ao ler esta afirmação. Afinal, a temporada foi praticamente perfeita para o clube da Gávea. Hexacampeão brasileiro e pentatricampeão carioca. Precisa dizer mais alguma coisa? O time rubro-negro fez história neste ano. Assumiu o posto de maior vencedor da história do futebol do Rio de Janeiro e retomou o seu lugar no topo do Brasil.

Tudo isso começou no dia 7 de janeiro, na apresentação do elenco para a pré-temporada, que foi feita na Granja Comary, e só foi terminar quase que exatos onze meses depois, em 6 de dezembro. Confira abaixo no especial realizado pela equipe do site oficial do Flamengo uma retrospectiva, mês a mês, de toda a saga do futebol rubro-negro ao longo deste ano que ficará na memória de cada um que acompanhou e na história dos 114 anos de glórias do Clube de Regatas do Flamengo.

Janeiro – O ano de 2009 começou com a torcida pressionando o Flamengo por estar fora da Taça Libertadores da América. E para alcançar o objetivo de retornar ao torneio continental, o clube não pôde investir pesado devido às limitações de caixa. O jeito foi manter a base e fazer poucas contratações. Os jovens Fabrício, Camacho e Rômulo retornaram de empréstimo, enquanto Douglas e Willians foram contratados junto ao Santo André e Everton Silva veio do Friburguense.

O grande reforço rubro-negro foi o ex-botafoguense Zé Roberto, do Schalke 04, da Alemanha. Além do técnico Cuca, que já havia treinado o Flamengo em 2005 e retornou ao clube no início desta temporada. Luizinho, Dininho, Leonardo, Jailton, Fernando, Fernandão, Diego Tardelli e Caio Junior deixaram o clube. Fabrício mal chegou e foi emprestado novamente, dessa vez, para o Hoffenheim, da Alemanha.

No primeiro jogo do ano, vitória sofrida por 1 a 0 sobre o Friburguense, no Maracanã, com gol de Juan. No segundo, outro triunfo na raça, por 2 a 1, sobre o Bangu, em Volta Redonda. Marcelinho Paraíba e Angelim marcaram. Apesar das dificuldades, o Fla começava o ano com pé direito e 100% de aproveitamento no mês de janeiro.

Fevereiro – O mês do carnaval até que começou bem para o time da Gávea, mas o seu final foi mesmo de cinzas na Gávea. No primeiro dia de fevereiro, mais uma vitória suada, por 1 a 0, com gol de Josiel, sobre o Volta Redonda. Depois, enfim, uma boa atuação: 4 a 1 sobre o Mesquita. O estreante Zé Roberto fez o seu. Everton, Jônatas e o goleiro Bruno completaram a goleada, que deu a impressão de que o Flamengo, enfim, emplacaria o bom futebol que todos esperavam.

Mas, foi justamente a partir dali que o time caiu de rendimento. Marcelinho Paraíba e, de novo Zé Roberto, ainda dariam mais uma vitória ao Flamengo, por 2 a 1, contra o Macaé, porém, os resultados seguintes seriam decepcionantes. Dois empates, por 2 a 2 com o Boavista e 1 a 1 com o Botafogo, que apesar de levarem o time à semifinal da Taça Guanabara, ligaram o alerta na Gávea.

De nada adiantou. Nas semis, um resultado que deixou atônito um Maracanã lotado. Em pleno sábado de Carnaval, quem festejou foi o modesto Resende, que bateu o Flamengo por 3 a 1 e garantiu vaga na decisão da Taça GB, vencida pelo Botafogo.

Março – A cura para a eliminação na Taça Guanabra foi traçada: vencer a Taça Rio. Antes disso, porém, o Flamengo ainda teria que estrear na Copa do Brasil. E o fez com muita propriedade ao golear o Ivinhema por 5 a 0, fora de casa. O resultado animou o time do técnico Cuca, que emplacou duas vitórias no Estadual: 3 a 1 na Cabofriense e 4 a 2 no Duque de Caxias. Depois disso, o time voltou a cair e só empatou com o Tigres, em 1 a 1, além de ter perdido para o Vasco por 2 a 0.

Seguindo entre altos e baixos, o Flamengo voltou a vencer na partida contra o Madureira: 4 a 2, com três gols de Josiel. Depois, a vingança contra o Resende: 4 a 0, em jogo disputado no Engenhão, e com mais uma vitória, por 1 a 0 sobre o Americano, o time se despediu de março classificado para as semifinais da Taça Rio e vivo na luta pelo tricampeonato carioca. O mês também foi de contratações: Emerson, vindo do mundo árabe, e Alex Cruz, destaque do Ivinhema, chegaram à Gávea. Marcelinho Paraíba, por sua vez, deixou o clube.

Abril – O mês da mentira começou com clássico: Fla x Flu. Na estreia do Sheik Emerson, contratado para reforçar o ataque rubro-negro, já que Josiel estava com seu contrato por empréstimo terminando, empate com sabor de vitória do Flamengo em 1 a 1 no Maracanã. Emerson, que chegou ao clube fazendo juras de amor, marcou o gol e logo caiu nas graças da torcida.

O Flamengo terminou o mês invicto e decidindo o Campeonato Carioca pelo terceiro ano consecutivo. Depois deste empate com o Fluminense na última rodada da fase de classificação da Taça Rio, o Rubro-Negro reencontrou seu rival nas semifinais da competição e, desta vez, levou a melhor. Com gol de Juan, venceu o Flu por 1 a 0 e garantiu-se na decisão do segundo turno do Carioca contra o Botafogo. Antes disso, o time bateu o Remo por 2 a 0 na Copa do Brasil.

Chegou então a hora de decidir a Taça Rio. Uma vitória e o Botafogo garantiria o título estadual. Mas, como de costume nos dois últimos anos, quando os dois times se enfrentaram em decisões, o vermelho e o preto falaram mais alto. Dessa vez, até um botafoguense ajudou o Fla. O zagueiro Emerson marcou, contra, o gol da vitória que levou o Flamengo à finalíssima do Estadual, que começou já na semana seguinte.

No primeiro jogo das finais, empate, por 2 a 2. Empate também no jogo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil, quando o Flamengo ficou no 0 a 0 com o Fortaleza.

Maio – Foi o mês da hegemonia. No dia 3, Flamengo e Botafogo se enfrentaram novamente para decidir o título do Campeonato Carioca. Em um jogo emocionante, outro empate por 2 a 2, outra decisão por pênaltis e outra vitória do Flamengo. Era o quinto tricampeonato estadual da história do clube, que conquistava seu 31º título estadual e assumia o posto de maior vencedor da história da competição.

Tudo o que veio a seguir nesse mês foi uma enorme ressaca. Ainda mais depois do anúncio da aposentadoria do capitão do tri, o zagueiro Fabio Luciano, que pendurou as chuteiras após a conquista do título. Mesmo assim, o time venceu o Fortaleza por 3 a 0 e avançou na Copa do Brasil. Depois, na estreia do Brasileiro, acabou jogando melhor, mas foi derrotado pelo Cruzeiro por 2 a 0. Ficou no empate com o Inter no jogo de ida das quartas-de-final da Copa do Brasil (0 a 0) e repetiu o resultado contra o Avaí pelo Brasileiro.

No dia 20, acabou eliminado pelos gaúchos no finalzinho. O time fez jogo duro contra os colorados, que jogavam o melhor futebol do Brasil na época, mas levou um gol do ex-rubro-negro Andrezinho aos 43 do segundo tempo e acabou fora da Copa do Brasil. Depois, ainda venceu Santo André e Atlético Paranaense por 2 a 1 pelo Brasileirão.

Maio ainda guardava uma surpresa para o Flamengo. O retorno de um grande ídolo. Adriano, o Imperador, estava de volta. Sete anos depois de deixar a Gávea, o atacante rescindiu contrato com a Inter de Milão e voltou ao Brasil em busca da felicidade, que ele só poderia encontrar no clube de seu coração. Por isso, assinou com o Rubro-Negro e viria a ser fundamental na campanha da equipe dali para frente.

Junho – Um mês curto e decepcionante, apesar do Imperador. O Flamengo disputou apenas quatro jogos, todos pelo Brasileirão, e venceu apenas um. Tudo bem que este um foi uma grande goleada, por 4 a 0, sobre o Internacional, com show do recém-contratado Adriano. Mas as derrotas foram lamentáveis: uma virada incrível do Sport por 4 a 2 e uma goleada por 5 a 0 do Coritiba, duas equipes que, curiosamente, foram rebaixadas ao final do ano. Além disso, houve ainda um empate em 0 a 0 contra o Fluminense. O mal retrospecto fez duas vítimas: Josiel e Jônatas foram dispensados logo após a derrota para o Coritiba.

Julho – O tempo de vacas gordas voltou à Gávea no final de julho. Coincidência ou não, justamente após a saída de Cuca, o time, mais uma vez, apresentou um bom futebol. Coincidência ou não, nas mãos de Andrade, a equipe provou seu valor. Ainda com Cuca à frente da equipe, o Flamengo bateu o Vitória por 2 a 1, no Engenhão, no jogo que marcou a despedida de Ibson. Vinculado ao Porto, ele teve que voltar ao seu clube de origem e acabou emprestado ao futebol russo.

Depois de sua saída, o Flamengo demorou a se acertar. Empatou com o São Paulo em 2 a 2 no Morumbi, perdeu para o Palmeiras por 2 a 1 no Maracanã, voltou a empatar com o Botafogo, em 2 a 2, e com o Barueri, por 1 a 1. Este último resultado foi a gota d’água para a diretoria, que resolveu demitir Cuca. Pouco depois, a própria cúpula do futebol rubro-negro, com Kleber Leite e Plínio Serpa Pinto, resolveu se afastar, dando lugar a Marcos Braz.

O novo vice de futebol manteve o interino Andrade no cargo. Deu certo e o Flamengo voltou a vencer. Logo com um resultado inédito e histórico: 2 a 1 sobre o Santos, na Vila Belmiro. Depois disso, ainda bateu o Atlético Mineiro por 3 a 1.

Agosto – Um mês de reformulação. O Flamengo sofreu para encontrar um substituto para Ibson e outro para Fabio Luciano, teve muitos jogadores com problemas de lesão e precisou se esforçar para contratar. Chegaram David, Álvaro e Maldonado para arrumar o setor defensivo. Denis Marques e Gil foram os contratados para o ataque. Aos poucos, a equipe foi se acertando e começando a embalar.

O time sofreu três derrotas em agosto, para o Grêmio (4 a 1), Cruzeiro (2 a 1) e Avaí (3 a 0). Mesmo assim, Andrade foi mantido no cargo, todos perceberam o potencial do grupo, que lutava contra os desfalques por lesão e suspensão, deram um voto de confiança ao elenco e à comissão técnica e o time se recuperou. Venceu Goiás (3 a 2), Corinthians (1 a 0) e Santo André (3 a 0), além de ter empatado com o Náutico (1 a 1). Pela Sul-Americana, o time enfrentou o rival Fluminense e foi eliminado no critério de gols fora de casa.

Setembro – Assim como julho, um mês curto, porém, desta vez, vitorioso. Foram quatro partidas, com duas vitórias e dois empates. O time goleou Sport e Coritiba, por 3 a 0, e ficou no 0 a 0 com Atlético Paranaense e Internacional. Os resultados já fizeram com que a equipe pegasse o elevador na tabela de classificação. Este foi o mês de Dejan Petkovic. O gringo, enfim, mostrou seu futebol, ganhando mais oportunidades, e assumiu a função de maestro e líder do grupo, sendo peça fundamental na campanha.

Outubro – Este foi o mês da arrancada. O Flamengo entrou em outubro com cinco jogos de invencibilidade (os quatro de setembro mais a vitória sobre o Santo André no último jogo de agosto) e emplacou logo mais cinco. Venceu o Fluminense por 2 a 0, empatou com o Vitória em 3 a 3, e então, conseguiu dois resultados que animaram o time e a comissão técnica, alem, é claro, da torcida.

O time de Andrade tinha pela frente São Paulo e Palmeiras, segundo e terceiro colocados, respectivamente. O objetivo de chegar ao G4 já estava traçado e bons resultados contra estas duas equipes seriam fundamentais, mas muito difíceis. Na raça, eles vieram: 2 a 1 sobre o tricolor e 2 a 0 sobre o alviverde. Ali, o Flamengo teve a certeza de que era capaz de disputar o título. Depois, ainda venceu o Botafogo por 1 a 0.

A maratona de jogos e vitórias acabou cansando o time, que caiu diante do Barueri, por 2 a 0, em São Paulo, mas se recuperou rapidamente e fechou outubro com uma vitória por 1 a 0 sobre o Santos, no Maracanã, que lhe garantiu entre os quatro primeiros colocados do Brasileirão.

Novembro – A certeza de que o hexa era um sonho muito mais próximo de se tornar realidade do que se imaginava veio em novembro. A arrancada continuou e provou que o tropeço diante do Barueri foi apenas uma fatalidade. O Flamengo não perdeu mais no campeonato. Em novembro, mais quatro jogos, mais duas vitórias e dois empates. Um deles quase pôs tudo a perder.

No primeiro jogo do mês, mais um confronto direto, dessa vez, contra o Atlético Mineiro, no Mineirão. Assim como contra São Paulo e Palmeiras, o Flamengo era o azarão. No entanto, dominou o jogo do início ao fim e venceu com autoridade: 3 a 1, garantindo o terceiro lugar. Depois, vitória sobre o Náutico, fora de casa, por 2 a 0. Flamengo em segundo. Então, veio a fatídica partida contra o Goiás.

Maracanã lotado, torcida em festa com o maior mosaico do mundo, São Paulo derrotado pelo Botafogo e a necessidade de apenas uma vitória para assumir a liderança. Mas, ela não veio. O time ficou no zero a zero e os paulistas agradeceram. Só que por pouco tempo. Na semana seguinte, o mesmo Goiás venceu o Tricolor por 4 a 2, em Goiânia, e o Mengão bateu o Corinthians por 2 a 0, em São Paulo, e tomou o primeiro lugar do Campeonato Brasileiro a uma rodada do final da competição.

Dezembro – Para fechar o ano com chave de ouro, o Flamengo precisou de apenas uma partida para fazer de dezembro o mês mais importante da temporada. No domingo, dia 6, recebeu o Grêmio no Maracanã para sacramentar o hexacampeoanto nacional. O time bateu os gaúchos por 2 a 1, com gols dos zagueiros David e Ronaldo Angelim, e venceu o Campeonato Brasileiro, após longos 17 anos de espera.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticias/noticia.php?id=7532

Especial 2 - Flamengo Campeão Brasileiro de 2009


Fonte da foto: http://jornalplacar.abril.com.br/flamengo-campeao-brasileiro-2009/_img/poster-flamengo.jpg

Imperdível o Especial Flamengo Campeão Brasileiro feito pelo Jornal Placar da Editora Abril. Homenagem digna ao time REI DO RIO E DO BRASIL. Nação rubro-negra a hegemonia voltou. Obrigado São Judas Tadeu e Jesus Cristo por esse maravilhoso presente de Natal. Um ano inesquecível.

http://jornalplacar.abril.com.br/flamengo-campeao-brasileiro-2009/

Zé Roberto - outro craque goiano campeão brasileiro



O Flamengo em toda a sua história apresentou uma infinidade de craques espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Um dos estados que está bem representado, sobretudo, nas conquistas dos campeonatos brasileiros é Goiás. Em 1983, o time rubro-negro contava com Júlio Cesar Barbosa e o evangélico Baltazar conhecido como o artilheiro de Deus. Em 1992, foi a vez da dupla Uidemar e Júlio Cesar "Imperador". Agora em 2007 o representante goiano é o endiabrado Zé Roberto. Hoje inclusive é o seu aniversário.

Biografia

José Roberto de Oliveira ( Itumbiara, 9 de Dezembro de 1980 - ) é um habilidoso meia revelado pelo Coritiba, e que fez sucesso em 2007 atuando pelo rival rubro-negro, o Botafogo.

Foi nas categorias de base do Coritiba que o goiano Zé Roberto iniciou a carreira. Rejeitado pelo Flamengo em uma peneira no ano de 1995, quando tinha apenas 14 anos de idade, o jogador que se diz Flamenguista desde criança, rumou até o Paraná para enfim poder dar ínicio á sua promissora carreira.

Sem muito destaque nos primeiros anos de carreira, Zé Roberto saiu do Coritiba apenas um ano após a sua primeira partida como profissional. Foi parar no Juventus SP e posteriormente no Mirassol, onde finalmente conseguiria algum destaque, o que lhe valeu uma chance no gigante Cruzeiro. No clube mineiro, Zé correspondeu ás expectativas, marcou gols, fez boas partidas. Entretanto, já àquela época, sobressaltava um dos piores defeitos do meia, a indisciplina. Assim, apesar das boas atuações com a camisa do Cruzeiro, a chegada do respeitado e ordeiro treinador Luís Felipe Scolari fez com que Zé abreviasse a sua passagem pelo time de BH.

Ainda naquele ano, foi emprestado pela Raposa ao clube português do Benfica, entretanto, Zé Roberto conseguiria uma vaga apenas no segundo time, e optaria por voltar ao Brasil para defender a Portuguesa no ano de 2001. Do clube paulista, ainda em 2001, Zé assinaria um contrato com o Vitória da Bahia. Na terra da felicidade, o meia reencontrou não só o bom futebol, como um lugar para fixar residência. Apoiou-se naquele estado, mas não pôde recusar a polpuda proposta do clube japonês do Kashiwa Reysol e rumou para o país asiático.

Atuou no Japão por dois anos, e em 2005 foi repatriado pelo Botafogo como uma das apostas do clube para o decorrer da temporada. Suas primeiras temporadas em General Severiano foram excepcionais, Campeão Carioca de 2006, nove gols marcados no Campeonato Brasileiro 2006 e uma parceria de sucesso com Lúcio Flávio, fizeram com que as desconfianças por parte da torcida do Botafogo se afastassem, ao menos por um período de tempo.

Em 2007, contudo, o atleta protagonizaria episódios que trariam á tona, mais uma vez, a sua fama de indisciplinado. O fato é que o clima não era dos melhores em General Severiano, o time do Botafogo, então comandado por Cuca, mesmo com status de favorito havia perdido o Campeonato Carioca para o Mais Querido do Brasil e uma crise parecia inevitável.

No ano de 2008, apesar de todos os problemas envolvendo o jogador, conseguiu um bom contrato com FC Schalke 04. Porém, não conseguiu se firmar no clube alemão, e passou a ser cotado em diversos clubes brasileiros, incluindo o Flamengo, que já em 2008 com a perda de Renato Augusto e Marcinho, estudava incluir Zé Roberto no elenco.

No ano de 2009, depois de se envolver em mais uma polêmica, ao não se apresentar no Schalke 04 após as férias de fim de ano, Zé Roberto teve seu nome indicado no Flamengo por Alexis Stival, treinador de outrora, que mesmo sabendo e tendo convivido com os problemas de Zé Roberto, deu seu aval para a contratação do apoiador pelo Fla.

Foi apresentado no Fla como grande reforço para o Campeonato Carioca 2009, e jurou amores pelo clube, já na sua estréia marcou um gol contra o Mesquita e deu a impressão de que recobraria o bom futebol de outrora, ajudando o Fla a alçar bons caminhos na temporada. O que não aconteceu.

Não demorou para que as atuações de Zé Roberto fossem cada vez mais apagadas, e já ao fim do Campeonato Carioca, passou a se cogitar a sua saída da Gávea, em virtude do alto salário recebido mensalmente pelo jogador. Como nenhuma destas possibilidades se viabilizou, o departamento de futebol resolveu então fazer uma pré-temporada atípica com a atleta a fim de encontrar a sua melhor forma, e assim Zé manteve-se no elenco.

Dados

Nome Completo: José Roberto de Oliveira
Apelido: Zé Roberto
Posição: Meia
Dia do Nascimento: 9 de Dezembro de 1980(9-Predefinição:Pad2digit-Predefinição:Pad2digit) (29 anos)
Nascimento: Itumbiara (GO)
Altura: 1,70m
Peso: 72kg
Histórico
Anos Time
1996-1997 Coritiba
1998 Juventus-SP
1999 Mirassol
2000 Cruzeiro
2000 Benfica (Portugal)
2001 Portuguesa-SP
2001 Vitória
2002-2004 Kashiwa Reysol (Japão)
2005-2007 Botafogo
2008 Schalke 04 (Alemanha)
2009 Flamengo
Títulos
Pelo Flamengo

* Taça Rio: 2009
* Campeonato Carioca: 2009
* Campeão Brasileiro: 2009

Por outros clubes

Botafogo

* Taça Guanabara: 2006
* Campeonato Carioca: 2006
* Taça Rio: 2007


Fonte consultada: http://www.flamengo.com.br/flapedia/Jos%C3%A9_Roberto_de_Oliveira

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Números do campeão: Fla também fica na frente em diversos rankings do Brasileiro


Editoria de Arte/GLOBOESPORTE.COM Editoria de Arte/GLOBOESPORTE.COM

Rubro-negros roubaram mais bolas, levaram menos cartões vermelhos e também se destacaram nas jogadas de linha de fundo e nos contra-ataques

Rodrigo Breves Rio de Janeiro

O ranking mais importante para se terminar em primeiro no Campeonato Brasileiro é a tabela de classificação, e o Flamengo conseguiu isso e, consequentemente, o título nacional. Mas não foi apenas na pontuação que o time carioca alcançou a liderança. Alguns fundamentos ajudaram a equipe comandada por Andrade a atingir o objetivo de se tornar hexacampeã na temporada 2009.

Um ranking absolutamente dominado pelo Fla praticamente do começo ao fim foi o de bolas roubadas. Foram 781 adversários desarmados desde o início da competição, sendo que só o volante Willians deu uma de bom ladrão em 149 oportunidades. Essa combatividade fez o jogador ser expulso duas vezes, mas, em termos de cartões vermelhos, ele também destoou, porque o time rubro-negro foi o que menos teve atletas excluídos das partidas entre os 20 participantes: um total de quatro.

Além disso, o Flamengo foi o time que mais realizou dois tipos de jogadas. Os rubro-negros partiram para o contra-ataque 134 vezes e foram à linha de fundo em 269 oportunidades. Com isso, a equipe também acabou se tornando a que mais levantou bolas na área: 657 cruzamentos. E, para completar os primeiros lugares rubro-negros, os escanteios a favor: 249. Vale lembrar que, em dois deles, Petkovic fez gols olímpicos contra Palmeiras e Atlético-MG (relembre o primeiro no vídeo ao lado), sem contar a cobrança para a cabeçada certeira de Ronaldo Angelim, que garantiu a vitória por 2 a 1 sobre o Grêmio e o hexa.

Mas nem só de lideranças vive o campeão brasileiro. O Fla não teve a melhor defesa, que foi a do São Paulo com 42 gols sofridos. No entanto, a zaga foi vazada apenas 44 vezes, o que lhe garantiu a segunda colocação geral neste ranking ao lado do Internacional. Em relação ao ataque, o Grêmio foi o mais efetivo com 67 bolas na rede, e o Rubro-Negro ficou em sexto graças aos 58 gols assinalados.

A habilidade dos jogadores do Flamengo também fez do time um dos que mais sofreram faltas no campeonato. Nem tanto quanto o Fluminense, que teve seus atletas derrubados 813 vezes, mas os flamenguistas ficaram em quarto com 715 faltas sofridas. O time da Gávea também não exagerou na reação, pois foi o sétimo nas infrações: 677 contra 624 do Corinthians, o mais leal integrante da Série A.

Já os passes não foram um ponto forte na equipe. O Atlético-MG errou menos na competição, somando 1.007 equívocos. As falhas rubro-negras foram maiores: 1.266 passes errados e o 12º lugar neste ranking. Na hora de acertá-los, o Fla foi efetivo em 7.643 oportunidades, o nono melhor apenas. O Inter fez a bola girar de pé em pé 9.570 vezes. Os impedimentos ainda interromperam 99 ataques do Fla, enquanto o Timão teve 65 lances do gênero observados pelo auxiliar do árbitro.

Faltou também arriscar mais a gol por parte dos jogadores do Flamengo. Enquanto os líderes deste ranking, Botafogo e Barueri, finalizaram 617 vezes cada, os rubro-negros tentaram ameaçar a meta adversária em 472 lances. O 15º lugar neste fundamento mostra que o título talvez viesse com maior facilidade se o time arriscasse mais finalizações.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1407537-9865,00.html

Nelsinho - um grande jogador da década de 60



Fonte da foto: http://flamengoeternamente.blogspot.com/2008/12/carlinhos-violino-dolo-como-jogador-e.html

Hoje é aniversário de Nelsinho, um grande jogador do Flamengo. Formou um lendário meio de campo com Carlinhos na década de 60. Atuou em 192 partidas e marcou 18 gols.

Fonte: http://www.flaestatistica.com/nelsinho1962.htm

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Especial - Flamengo Campeão Brasileiro de 2009



Fonte: http://espnbrasil1.terra.com.br/flamengocampeao/

Acabei de ler os especiais sobre o Flamengo HEXA Campeão Brasileiro da ESPN Brasil e do Lancenet. Um tão bom quanto o outro. Vale a pena conferir.

Seis vezes Flamengo!!!!

Autor: Leo Jaime, ator, cantor, compositor e rubro-negro

Nos últimos anos, o mais querido já vinha encantando sua torcida com o tricampeonato carioca e boas atuações, como a arrancada em 2007, no Brasileirão. Em 2009, juntamos as peças que faltavam: com a volta de Pet e Adriano e a chegada de Álvaro e Maldonado, sob a batuta do ídolo Andrade, encontramos o equilíbrio que faltava para mostrar um futebol contagiante, ofensivo, limpo e cheio de lances virtuosos e emocionantes. Não "sobramos", como se diz na gíria. Também não ficamos devendo em nada. Título justo, merecido e incontestável: somos os melhores de 2009.

O Flamengo que leva para os braços de sua Nação mais esta taça é um tanto parecido com o que venceu a úlima conquista em 1992, comandados pelo maestro Júnior em campo e treinado por Carlinhos, outro mito rubro-negro. Há algo de "feito em casa", se não no elenco, mas no espírito deste time. Poucos diriam, lá pela metade do campeonato, que o Flamengo era forte candidato ao título. Eu vi e comentei isto, para gáudio geral em rede de TV e onde quer que fosse. Vi o espírito da vitória, da raça, da entrega, e aquela mesma forma de impor o próprio jogo que o Flamengo exibiu em todos os títulos anteriores. Eram outros jogadores mas o mesmo Flamengo.

Os pênaltis defendidos por Bruno, os gols olímpicos de Pet, a garra e a força de Willians, a explosão e estrela de Adriano, a classe de Maldonado e Kléberson, a surpresa positiva que foi Éverton e as pratas da casa escaladas... Sem falar nos consagrados Juan, Angelim, Léo Moura e na campanha brilhante de Zé Roberto. Um time campeão formado por jogadores com espírito de campeões. Uma das equipes que menos faltas cometeu, menos cartões recebeu e mais bolas roubou! Classe, estilo, personalidade, força, brilhanstismo e, vá lá, um tantinho de sorte. Este é o Flamengo campeão brasileiro pela sexta vez.

Deixo para o fim o que me parece ser o mais importante. De tudo e de todos, nada parece ser mais relevante, admirável, emocionante, invejável, contagiante do que a torcida rubro-negra. Fica este exemplo! Lotando os estádios, cantando e vibrando, empurrando o time e nunca, nunca desacreditando ou faltando com o carinho e o apoio. Esta torcida é mesmo, de tudo o que o futebol brasileiro apresentou neste ano, o que mais merece ser comemorado. Este é o principal trunfo, a maior vitória, a grande conquista: a nação rubro-negra.

Seis títulos não lhe retribuem a grandeza mas são um belo motivo para a festa! Canta, nação rubro-negra! Sem desmerecer ninguém, sem roubar o brilho de quem quer que seja, canta sua força, sua glória, sua grandeza! Canta com orgulho por mais um título nacional! Um título suado e conquistado naquele que será lembrado como um dos melhores campeonatos de todos os tempos. Canta, sobretudo, a alegria de ser rubro-negro!

Meus vivas aos jogadores, ao clube, ao gênio de Andrade e principalmente a cada um desta nação. Os anônimos amantes que, como eu, teriam um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo.

Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer.

Fonte: http://www.lancenet.com.br/flamengo-campeao/default.stm

Emocionado, Angelim explica o choro ao ver imagens de sua família comemorando

Emocionado, Angelim explica o choro ao ver imagens de sua família comemorando

Autor do gol do título brasileiro, zagueiro agradece o apoio dos rubro-negros e diz que não se considera um ídolo, mas sim um torcedor do clube

Fred Huber Rio de Janeiro

O herói não aguentou. Convidado do Globo Esporte desta segunda-feira, o zagueiro Ronaldo Angelim, autor do gol do hexacampeonato brasileiro do Flamengo, chorou ao ver imagens da comemoração da família e não conseguiu mais falar. Mais calmo após o programa, o jogador explicou a razão de tanta emoção. Ele disse que nunca mais vai esquecer.

- Quando mexe com família, a emoção bate mais forte. Só eu sei o que eu passei, e eles sabem também. Fiquei realmente muito emocionado, feliz demais. Foi o gol mais importante da minha carreira. Não vou esquecer nunca. Quero agradecer a todos que torceram por mim e pelo Flamengo - disse o zagueiro.

Apesar de já ter conquistado cinco títulos em quatro anos pelo clube (uma Copa do Brasil, um Brasileiro e três Cariocas), Angelim prefere não se colocar na galeria dos ídolos eternos do clube. Rubro-negro de carteirinha, o jogador fez juras de amor ao Flamengo.

- Eu me considero um torcedor, jogo com a alma. Procuro jogar com raça porque sou flamenguista desde criancinha e o mínimo que posso fazer é correr quando entro em campo. Procuro me dedicar ao máximo. Tem dia que vou agradar, e tem dias que não vou agradar.

Com a mesma simplicidade que joga, Ronaldo Angelim atendeu pacientemente os diversos pedidos de autógrafos e fotos. Dia de celebridade para o heroi rubro-negro.

'Tudo que ela fala acontece'

O relógio marcava 24 minutos do segundo tempo. O sérvio Petkovic se preparou para cobrar escanteio pela esquerda do ataque do Flamengo. No meio da área, Ronaldo Angelim aguardava a cobrança. Quando a bola viajou na frente do gol do Grêmio, encontrou a cabeça do zagueiro. Estava realizado ali o sonho de milhares rubro-negros de assistir ao hexacampeonato do time em um Maracanã lotado.

Mas para uma pessoa o lance descrito acima já estava na memória mesmo antes de acontecer.

- Minha mulher me ligou ontem (sábado) à noite antes de dormir: Rô, algo está me dizendo que você vai fazer o gol - conta o zagueiro em entrevista ao jornal “O Globo”.

A premonição foi a segunda de Ricássia, mulher do jogador. Ele conta outro episódio e, convicto, comemora o sexto sentido da esposa.

- Tudo que ela fala acontece, foi assim também quando fiz um gol que levou o Fortaleza a Série A - completou.

Herói do título rubro-negro, o atleta conta que passou por momentos difíceis no início do ano. Correu até o risco de ter uma perna amputada por causa de uma rara lesão, mas sua perseverança superou o mau momento.

- Este ano tinha tudo para ser horrível para mim. Passei três jogos sem ir sequer para o banco, achava que minha passagem estava acabada. Chegamos a estar perto da zona do rebaixamento.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Times/Flamengo/0,,MUL1405808-9865,00-EMOCIONADO+ANGELIM+EXPLICA+O+CHORO+AO+VER+IMAGENS+DE+SUA+FAMILIA+COMEMORAND.html

Flamengo conquista o Campeonato Brasileiro com emoção e justiça



É importante deixar claro que o Flamengo ganhou o título brasileiro com seus próprios méritos.

O campeonato não caiu no colo do time e também não houve a colaboração do Grêmio.

O jogo arranjado que muita sonhava não existiu.

A diretoria gremista fez o possível para mandar a campo um time que não ajudasse o Internacional a conquistar o título.

Mas os jogadores foram dignos, afastando da "final" e do campeonato a injusta mancha do arranjo, do jogo entregado.

Não perca seu tempo desmerecendo o título do Flamengo ou atacando o campeonato como se ele fosse uma porcaria.

O Brasileiro 2009 foi ótimo, emocionante e de bom nível técnico.

Não é o lixo que muitos tentam vender, basta observar com serenidade o que acontece nas principais ligas do futebol europeu.

Tem muito futebol ruim por aí, em campeonatos tidos como organizados.

Nosso futebol, apesar de todos os seus problemas, ainda é vigoroso.

E o Flamengo é a prova disso com a melhor campanha do segundo turno ao lado do Cruzeiro.

Fonte: http://espnbrasil.terra.com.br/paulocalcade/post/90985_FLAMENGO+CONQUISTA+O+CAMPEONATO+BRASILEIRO+COM+EMOCAO+E+JUSTICA#comentarios